Mundo

Milei discursa na abertura do Congresso argentino e chama parlamentares de ‘casta’

Foto: Juan Mabromata

 

Javier Milei, presidente da Argentina, discursou nesta sexta-feira, 1º, na abertura do Congresso argentino e se referiu aos parlamentares como “casta”. “Eles precisam aceitar que as pessoas odeiam os políticos”, afirmou Milei à imprensa. Milei iniciou seu pronunciamento às 21h00 em vez do meio-dia, como é a tradição, para coincidir com o horário de maior audiência televisiva e em meio a um forte esquema de segurança. Centenas de pessoas se reuniram em torno do Congresso em repúdio às medidas de ajuste do presidente. A Argentina está passando por uma crise econômica com uma inflação interanual de 254% e metade da população vive na pobreza.

Além do aumento acelerado nos preços dos alimentos e medicamentos, a retirada de subsídios nos serviços públicos causou um ajuste abrupto nas tarifas. Dez dias após sua posse, Milei emitiu um decreto presidencial para modificar ou revogar mais de 300 normas, incluindo as leis de aluguéis, abastecimento e controles de preços, mas a iniciativa foi recebida com dezenas de ações judiciais questionando sua constitucionalidade. Depois, tentou a aprovação no Congresso da “Lei Ônibus”, com 664 artigos que buscavam mudanças estruturais, como a privatização de 41 empresas estatais, e outras normas mais curiosas, como exigir que juízes usem toga preta e um martelo. Mas o projeto de lei não teve o sucesso que o governo esperava e o próprio Milei ordenou sua retirada.

Os líderes políticos da oposição que criticaram o DNU foram chamados de “idiotas úteis” pelo presidente. Já os deputados, próprios e alheios, que não aprovaram os artigos da “Lei Ônibus”, foram mencionados um por um por Milei na rede social X e classificados como traidores. O fracasso da lei foi interpretado por Milei como um triunfo, porque, segundo disse a jornalistas, deixou evidente que os governadores provinciais a quem muitos legisladores respondem “são uns delinquentes”.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), que prevê uma contração econômica de 2,8% em 2024 para a Argentina, saudou as medidas tomadas pelo governo, mas recomendou que estas sejam calibradas para proteger os setores sociais mais pobres. “Meu ajuste é mais forte que o do FMI”, assegurou Milei à imprensa em diversas ocasiões, referindo-se ao seu compromisso de conseguir um superávit de 3% do PIB este ano, mais do que o exigido pelo Fundo.

Deu na AFP

Mundo

Multidão faz fila em frente à igreja russa para se despedir de Navalny

 

Milhares de russos se reuniram nesta sexta-feira, 1º, em frente à igreja em Moscou, na Rússia, onde será realizada a despedida do líder opositor Alexei Navalny, que morreu há duas semanas em uma prisão no Ártico.

Segundo porta-voz de Navalny, familiares foram até o necrotério para recolher o corpo do político, mas não conseguiram até o momento. “O corpo não foi entregue até agora”, escreveu Kira Yarmish, em publicação no X (antigo Twitter). Os moscovitas formaram uma longa fila em torno da igreja ortodoxa do bairro de Mariino, três horas antes do início da cerimônia fúnebre.

Tanto junto ao templo, como no cemitério, onde será sepultado o político, foram instaladas cercas metálicas e há um significativo efetivo policial. Câmeras de vigilância e outros dispositivos que podem servir como inibidores de sinal de internet e celular também foram colocados nos postes do cemitério.

A família de Navalny denunciou durante nove dias a recusa das autoridades em entregar o corpo do político após a sua morte. Na véspera, foram divulgados avisos de algumas universidades aos seus estudantes para que não participassem em manifestações relacionadas com Navalny sob ameaça de expulsão.

Mundo

Primeiro-ministro da Palestina renuncia ao cargo

 

O primeiro-ministro da Palestina, Mohammad Shtayyeh, apresentou pedido de renúncia do governo da Autoridade Palestina ao presidente Mahmud Abbas. O pedido foi entregue nesta segunda-feira (26).

Apresentei a demissão do governo ao presidente em 20 de fevereiro e a submeto hoje por escrito”, anunciou ao citar ainda a escalada da guerra na região.

Abbas tem sido duramente criticado pela impotência frente ao conflito envolvendo Israel e os terroristas do Hamas. Países da região e governos ocidentais também pressionam por uma reforma da Autoridade Palestina.

Deu no Diário do Poder

Mundo

Trump e Milei se encontram pela primeira vez no maior evento conservador do mundo

 

“Faça a Argentina grande de novo!”. Foi assim, parafraseando o próprio slogan, que Donald Trump cumprimentou Javier Milei no primeiro encontro entre os dois – ocorrido neste sábado (24), em Washington (EUA).

O ex-presidente americano e o novo mandatário da Argentina se encontraram nos bastidores da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), considerado o maior evento do gênero no mundo. Ambos discursaram no último dia da programação, iniciada na na quarta-feira (21).

Como era de se esperar, a fala de Trump foi a mais concorrida de todo o fórum, e contou com uma plateia formada por personalidades políticas de direita como Nayib Bukele (presidente de El Salvador), Santiago Abascal (líder do partido de direita espanhol VOX) e o próprio Milei.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro, também fez uma participação. Ele denunciou a perseguição do atual governo brasileiro a figuras da oposição como seu pai, a juíza Ludmila Lins Grilo e o jornalista Rodrigo Constantino (colunista da Gazeta do Povo), entre outros.

Trump fez discurso de campanha, enquanto Milei foi mais conceitual

“Um voto em mim é o seu bilhete de volta à liberdade, é o seu passaporte para sair da tirania. É a sua única fuga do caminho rápido para o inferno de Joe Biden e sua gangue!”, afirmou o pré-candidato à Presidência dos Estados Unidos, em clima eleitoral.

Trump disse que se considera um “orgulhoso dissidente político”, fazendo uma referência ao russo Alexei Navalny, opositor do ditador Vladimir Putin morto no último dia 16. E prometeu: “Tudo em nosso país voltará a funcionar corretamente. Seremos respeitados como nunca fomos antes”.

Javier Milei, por sua vez, concentrou-se em suas ideias econômicas e anti-woke. “Não permitir o avanço do socialismo, não endossar a regulação, não permitir o avanço da agenda assassina e não se deixar levar pelo canto da sereia da justiça social. Eu estou chegando”, afirmou.

Milei ainda pegou o gancho de Trump e disse que não se renderá “até tornar a Argentina grande novamente”. Por fim, soltou o seu bordão que correu o mundo: Viva la libertad, carajo!

Mundo

CRUELDADE: Corpo de Navalny é entregue à mãe 9 dias após morte na prisão russa

 

O corpo de Alexei Navalny, líder da oposição russa, que morreu repentinamente na prisão na semana passada, foi entregue à sua mãe, conforme anunciado pela porta-voz Kira Yarmysh neste sábado (24). Yarmysh expressou agradecimentos a todos que apoiaram a demanda pela entrega do corpo.

Lyudmila Navalnaya, mãe de Navalny, permanece em Salekhard, a cidade do Ártico onde o corpo estava retido. A porta-voz destacou que ainda não foram feitos planos para o funeral e expressou incerteza sobre a possibilidade de interferência das autoridades.

A viúva de Navalny, Yulia Navalnaya, acusou o presidente russo Vladimir Putin de ordenar a retenção do corpo para ocultar a causa da morte e por receio de que o funeral atraísse grandes multidões. O Kremlin negou as acusações.

A família de Navalny havia solicitado repetidamente às autoridades russas a liberação do corpo. Na terça-feira, um vídeo foi divulgado mostrando a mãe de Navalny implorando a Putin pela libertação do corpo.

Yarmysh informou na sexta-feira que Navalnaya havia recebido um ultimato para concordar com um funeral secreto ou aceitar que o corpo fosse enterrado na colônia penal do Ártico onde Navalny estava detido.

Este sábado marca nove dias desde a morte de Navalny, um período significativo na tradição cristã ortodoxa, quando orações são oferecidas aos falecidos.

Yulia Navalnaya, em um vídeo divulgado neste sábado, acusou Putin de violar leis humanas e divinas ao recusar a entrega dos restos mortais de seu marido. Ela ressaltou que as ações do líder russo contradizem sua imagem de cristão ortodoxo devoto que protege a fé e o Estado contra influências dos valores ocidentais.

Com informações da CNN

Mundo

Uso recreativo da maconha na Alemanha é legalizado. Veja o que muda

 

Depois de meses de discussão, o Parlamento alemão (Bundestag) aprovou nesta sexta-feira (23/02) a legalização do uso recreativo da maconha. O projeto de lei prevê uma legalização parcial da erva com várias limitações sobre o cultivo e descarta inicialmente a venda controlada da cannabis em lojas.

Com a aprovação, a partir de 1º de abril, maiores de 18 anos poderão portar até 25 gramas de maconha. Essa quantidade equivale a entre 50 e 100 baseados. Além disso, maiores de idade também poderão cultivar até três plantas, desde que destinadas ao uso pessoal, e armazenar até 50 gramas da erva seca dentro de casa.

Os usuários, mas também muitos políticos e especialistas em saúde, há muito tempo pedem a legalização da maconha como medida no combate ao tráfico de drogas.

Apesar de inicialmente os planos do governo terem previsto a venda em lojas licenciadas, como as existentes em alguns estados dos EUA, o projeto apresentado pelo ministro da Saúde alemão, Karl Lauterbach, deixou de fora essa possibilidade.

Clubes da maconha

Com o projeto, inicialmente, o governo legalizou e regulou o consumo privado, em parte para aliviar a carga da polícia e do Judiciário.

A partir de 1º de julho, os chamados “clubes sociais de cannabis” – associações sem fins lucrativos com até 500 membros – poderão cultivar e vender maconha exclusivamente a seus associados. Estes poderão comprar até 50 gramas de cannabis por mês – ou 30 gramas para quem tem entre 18 e 21 anos.

Não será permitido o consumo da erva nos clubes de maconha, nem num raio de 200 metros de distância deles.

As associações também terão que manter essa mesma distância de 200 metros de escolas, creches, parquinhos e centros que atendem jovens e crianças, bem como instalações esportivas – o que deve tornar difícil a tarefa dos clubes de encontrar um local apropriado para se instalarem.

O consumo de maconha continua proibido, porém, perto de escolas, creches, parquinhos ou instalações esportivas públicas. E também não é permitido o uso em calçadões entre 7h e 20h.

Legalização pela Europa

A Alemanha não é o único país europeu a flexibilizar as regras em relação ao consumo de maconha. Em Portugal, Espanha, Suíça, República Tcheca e Bélgica e principalmente na Holanda, há muito tempo existem regulamentos que não criminalizam mais a posse e o uso de pequenas quantidades.

Na Holanda, por exemplo, a posse não é legal, mas o uso é permitido nos famosos coffee shops, estabelecimentos que podem ser frequentados apenas por maiores de idade.

Deu no Metrópoles

Mundo, Política

Israel convoca embaixador do Brasil após Lula compará-los aos nazistas

 

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, criticou veementemente o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva por comparar as ações de Israel contra o Hamas ao Holocausto nazista e às ações de Hitler. Netanyahu classificou as declarações de Lula como “vergonhosas e graves”, acusando-o de trivializar o Holocausto e tentar prejudicar o povo judeu e o direito de Israel à autodefesa.

Em resposta aos comentários de Lula, Netanyahu anunciou que irá convocar o embaixador brasileiro para o que ele denominou de “uma dura conversa de repreensão”. O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou que ninguém comprometerá o direito de Israel de se defender.

Lula fez essas declarações polêmicas durante uma coletiva de imprensa em Adis Abeba, Etiópia, após sua participação na 37ª Cúpula da União Africana. Ele estabeleceu paralelos entre a situação em Gaza e eventos históricos, invocando a decisão de Hitler de exterminar judeus. Israel e organizações judaicas reagiram fortemente aos comentários do presidente brasileiro.

O governo brasileiro ainda não emitiu uma resposta oficial ao anúncio de Netanyahu. As tensões diplomáticas surgem em meio a discussões internacionais sobre a suspensão da ajuda financeira à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) devido a alegações de seu envolvimento com o Hamas.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) também criticou o discurso de Lula, caracterizando-o como uma “distorção perversa da realidade”. A Conib enfatizou as distinções entre o Holocausto e as ações defensivas de Israel contra um grupo terrorista que invadiu o país.

A controvérsia em torno das declarações de Lula adiciona tensão às relações diplomáticas entre Brasil e Israel. A situação está sendo monitorada de perto, dadas as possíveis implicações para os laços bilaterais entre os dois países.

Deu no G1

Mundo

PORRADA: “As palavras do presidente do Brasil são vergonhosas e graves” afirma Benjamin Natanyahu sobre Lula

 

O Premier Benjamin Natanyahu criticou duramente nas suas redes sociais o presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva ( PT ).

Segundo Natanyahu “As palavras do presidente do Brasil são vergonhosas e graves”.

”Comparar Israel ao Holocausto Nazista e a Hitler é cruzar um linha vermelha” ameaçou o Líder Israelense.

Mais uma vez Lula perdeu uma boa oportunidade de ficar calado, e com a desastrosa fala toma uma lapada que envergonha qualquer dirigente, ainda mais se tratando de um presidente de uma nação .

Confira abaixo a postagem de Natanyahu contra Lula :

 

Mundo

Cuba aponta limitações que impedem pagamento de dívida com Brasil

Lula se reuniu com o ditador cubano, Miguel Díaz-Canel, no ano passado.| Foto: Ricardo Stuckert/PR.

 

O governo Lula voltou a discutir o pagamento da dívida de Cuba com o Brasil. O regime cubano afirmou que pretende quitar o débito, mas citou limitações que impedem o pagamento dos valores no momento. A dívida de Cuba com o Brasil atingiu US$ 671,7 milhões no fim de 2023, já as parcelas a vencer chegam US$ 525 milhões.

No último dia 8, a Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda reuniu os membros do Comitê de Avaliação e Renegociação de Créditos ao Exterior (Comace) e autoridades cubanas para discutir o tema.

Cuba apontou na conciliação que tem enfrentado “choques externos diversos”, como a pandemia, os embargos americanos e as mudanças climáticas, segundo apuração do Broadcast, do Estadão. “O objetivo do diálogo bilateral sobre a dívida é conciliar valores, discutir a resolução dos montantes em atraso e buscar formas de viabilizar a retomada do fluxo de pagamentos”, disse o ministério em nota divulgada na quarta-feira (14).

A maior parte do dinheiro emprestado a Cuba saiu do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiar a construção do Porto Mariel. Em setembro do ano passado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu com o ditador cubano, Miguel Díaz-Canel, em Havana. Na ocasião, o petista afirmou que Cuba é “vítima de um embargo econômico ilegal” dos Estados Unidos e rechaçou a “inclusão de Cuba na lista de Estados patrocinadores do terrorismo”.

Apesar de ser aliado de Cuba, o mandatário brasileiro não pode reestruturar a dívida por conta própria. Uma eventual renegociação dos critérios de pagamento depende da aprovação do Congresso Nacional.

Em novembro, o governo federal encaminhou para o Congresso um projeto de lei que autoriza o BNDES a voltar a financiar obras e outros serviços prestados por empresas brasileiras no exterior. O projeto prevê a vedação de empréstimos para países inadimplentes, caso de Cuba, Venezuela e Moçambique. Atualmente, a norma interna do BNDES já proíbe a concessão de crédito para países que devem ao Brasil, mas a ideia é reduzir resistências ao projeto, especificando a restrição em lei.

Entre as obras polêmicas financiadas nos governos petistas anteriores, que não foram quitadas, estão o metrô de Caracas, na Venezuela, e o Porto de Mariel, em Cuba.

Deu na Gazeta do Povo