Tragédia

Capitão do tetra e técnico do Brasil na Copa de 2010, Dunga sofre acidente de carro no Paraná

Divulgação/PRF

Ex-treinador da seleção brasileira e capitão do Brasil no tetracampeonato mundial, Dunga sofreu um acidente de carro neste sábado (12), na BR-116, próximo a Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. O ídolo do futebol brasileiro estava acompanhado de sua esposa, Evanir Verri. Ambos foram atendidos no local. Dunga dirigia uma Mitsubishi Pajero quando perdeu o controle do veículo, resultando em uma saída de pista e capotamento. O casal estava retornando de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, onde visitaram a neta recém-nascida, Valentina. A menina é filha de Bruno Verri, preparador físico do Botafogo-SP e filho do capitão do tetra. O acidente ocorreu por volta das 12h30, próximo ao km 39 da rodovia. Tanto Dunga quanto Evanir sofreram ferimentos leves e estavam conscientes durante o atendimento. Eles foram levados ao Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul. O teste do etilômetro realizado nas vítimas deu resultado negativo.

Carlos Caetano Bledorn Verri, o Dunga, foi capitão da seleção brasileira campeã mundial em 1994, nos Estados Unidos. Ele também comandou a seleção como técnico em duas ocasiões: de 2006 a 2010 e de 2015 a 2016. Como treinador, conquistou a Copa América de 2007 e a Copa das Confederações de 2009. Na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, a seleção foi eliminada nas quartas de final pela Holanda. Além do título mundial em 1994, Dunga participou das Copas de 1990 e 1998 como jogador. Natural de Ijuí, ele começou a carreira no Internacional e jogou por clubes como Corinthians, Vasco e Santos, além de atuar na Itália, Alemanha e Japão. Dunga se aposentou em 2000, no Inter. Desde sua demissão pela CBF em 2016, não assumiu outro cargo como treinador.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Publicada por Felipe Cerqueira

Tragédia

Ataque russo na Ucrânia deixa ao menos 29 mortos e atinge hospital infantil em Kiev

Crédito: REUTERS/Gleb Garanich

A Rússia lançou uma série de mísseis contra cidades ucranianas em um raro ataque diurno, nesta segunda-feira, matando pelo menos 29 pessoas em todo o país e atingindo um importante hospital infantil em Kiev, em um dos ataques mais letais em meses, disseram autoridades.

O presidente Volodymyr Zelenskiy afirmou que as forças russas dispararam mais de 40 mísseis que atingiram diferentes cidades e danificaram infraestrutura, prédios comerciais e residenciais em diferentes cidades ucranianas.

Autoridades da cidade de Kiev disseram que 10 pessoas foram mortas e pelo menos 35 ficaram feridas no ataque à capital. Cerca de duas horas depois, destroços de outro ataque com mísseis atingiram outro hospital em Kiev, matando mais quatro pessoas e ferindo três, disseram os serviços de emergência.

Em Kryviy Rih, 11 pessoas foram mortas e mais de 40 ficaram feridas, segundo os serviços de emergência.

Outras três pessoas morreram em Pokrovsk, no leste da Ucrânia, quando mísseis atingiram uma instalação industrial, disse o governador regional de Donestk. Uma pessoa também foi morta na cidade de Dnipro, de acordo com autoridades.

“Todos os serviços estão envolvidos para salvar o maior número possível de pessoas”, afirmou Zelenskiy no aplicativo de mensagens Telegram. “E o mundo inteiro deve usar toda a sua determinação para finalmente pôr um fim aos ataques russos.”

O Ministério da Defesa russo disse que suas forças realizaram ataques contra alvos do setor de defesa e bases de aviação na Ucrânia.

A Rússia tem negado repetidamente que esteja alvejando civis.

O grande ataque à Ucrânia ocorreu no momento em que o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, se reunia com o presidente chinês, Xi Jinping, para discutir um possível acordo de paz na Ucrânia, fazendo uma visita inesperada a Pequim.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, disse que o ataque à capital foi um dos mais pesados desde o início da invasão russa em fevereiro de 2022.

Ele contou que o principal hospital infantil da cidade foi danificado no ataque. Janelas foram quebradas e painéis foram arrancados. Pais com bebês nos braços saíram para a rua, atordoados e soluçando.

“Ouvimos uma explosão e, em seguida, fomos inundados por destroços”, disse Svitlaka Kravchenko, de 33 anos, à Reuters, depois que ela e o marido, Viktor, saíram do abrigo.

O bebê deles de dois meses saiu ileso, mas Svitlana sofreu cortes e seu carro estava totalmente enterrado sob os escombros do prédio destruído, do outro lado do pátio da ala principal.

“Foi assustador. Eu não conseguia respirar, estava tentando cobrir (meu bebê). Eu estava tentando cobri-lo com um pano para que ele pudesse respirar”, disse ela.

(Reportagem adicional de Anastasiia Malensko e Yuliia Dysa)

Deu no Metrópoles

Tragédia

Quase 300 mil recorrem ao auxílio reconstrução no RS

Foto: EVANDRO LEAL/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro-chefe da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, informou que o governo federal já pagou para 274 mil famílias gaúchas o auxílio reconstrução, após as enchentes que assolaram o Estado entre abril e maio. “Esses recursos vão ajudar para que as pessoas possam recomeçar”, disse Pimenta, durante discurso em cerimônia de entrega de máquinas agrícolas em Porto Alegre na sexta-feira (5). As máquinas são provenientes de emendas parlamentares e liberadas pelo Ministério da Agricultura. No total, 34 municípios serão atendidos com os equipamentos.

Pimenta, que é gaúcho de Santa Maria, informou também que o governo federal autorizou o saque antecipado do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) pelos gaúchos, e que “mais de 1 milhão” deles já fizeram o saque. Citou, ainda, entre outras iniciativas, que o governo federal adiou por 36 meses o pagamento da dívida do Rio Grande do Sul, que soma R$ 280 milhões por mês. “Estamos na segunda parcela, ou seja, já são R$ 560 milhões disponíveis que serão destinados ao fundo de reconstrução do Estado.”

Ele disse também que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não cobrará os juros da dívida, o que significará mais R$ 11 milhões para o fundo de reconstrução gaúcho.

O desastre climático afeta a economia de todo o País. A produção industrial brasileira recuou 0,9% em relação a abril, com perdas em 16 das 25 atividades investigadas, segundo a Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

*Com informações do Estadão Conteúdo

Tragédia

Furacão Beryl deixa sete mortos no Caribe ao avançar em direção à Jamaica

Foto: Ricardo Makyn/AFP

O furacão Beryl avança em direção à Jamaica nesta quarta-feira (3), trazendo consigo ventos potencialmente mortais e tempestades. Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos, o furacão já causou a morte de pelo menos sete pessoas e danos significativos no sudeste do Mar do Caribe. Beryl é o primeiro furacão da temporada 2024 no Atlântico e deve atingir a Jamaica como uma tempestade de categoria 4. Este furacão se destacou por ser o primeiro a alcançar essa categoria em junho e a subir para categoria 5 em julho, desde o início dos registros do NHC. O órgão emitiu um alerta de furacão para a Jamaica, prevendo chuvas intensas, inundações repentinas e ventos devastadores. O país está se preparando para a chegada da tempestade: abrigos estão sendo abastecidos, moradores estão protegendo suas casas e barcos foram retirados da água.

O primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, pediu à população que se prepare: “Insto todos os jamaicanos a se abastecerem com alimentos, baterias, velas e água. Protejam seus documentos importantes e removam qualquer árvore ou objeto que possa colocar em perigo sua propriedade”. Beryl também deve passar perto ou sobre as Ilhas Cayman na noite de quarta-feira ou madrugada de quinta-feira. Na República Dominicana, ondas gigantes foram registradas na costa de Santo Domingo quando a tempestade passou pelo sul do país. O furacão já deixou um rastro de destruição, com três mortos em Granada, um em São Vicente e Granadinas, e três na Venezuela. Em Granada, a ilha de Carriacou foi severamente afetada, com casas, telecomunicações e instalações de combustível destruídas. “Praticamente não temos comunicação com Carriacou há 12 horas”, informou o primeiro-ministro Dickon Mitchell.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, expressou preocupação com a região e afirmou que a entidade está pronta para apoiar as autoridades locais. Especialistas afirmam que é raro uma tempestade tão poderosa se formar tão cedo na temporada de furacões, que vai de junho a novembro. As águas do Atlântico Norte estão mais quentes do que o normal, contribuindo para a formação de furacões mais fortes. A NOAA prevê uma temporada de furacões “extraordinária”, com até sete furacões de categoria 3 ou superior.

Simon Stiell, Secretário Executivo do Fundo das Nações Unidas para a Mudança Climática (UNFCC), atribui a crescente intensidade dos desastres naturais à crise climática. “Os desastres em uma escala que costumava ser própria da ficção científica estão se tornando realidade, e a crise climática é a principal culpada”, declarou. Às 9h de Brasília desta quarta-feira, o furacão Beryl tinha ventos sustentados de 230 km/h, movendo-se em direção à Jamaica e às Ilhas Cayman. Alertas de furacões e tempestades tropicais também foram emitidos para partes do Haiti e da Península Mexicana de Yucatán.

*Com informações da AFP

Publicada por Felipe Cerqueira

Deu na JP News

Tragédia

Saiba os motivos que tornam o furacão Beryl, que tem causado mortes e danos no Mar do Caribe, tão incomum

HANDOUT NOAA/GOES /AFP

O furacão Beryl, o primeiro do que promete ser uma temporada extraordinária no Atlântico Norte, já surpreendeu os cientistas ao aumentar de intensidade tão rapidamente e tornar-se muito poderoso tão cedo este ano. Apesar de ter quebrado vários recordes, também se revela como o exemplo perfeito do que os especialistas preveem que será mais provável como resultado da mudança climática. O furacão Beryl avança em direção à Jamaica nesta quarta-feira (3) entre avisos de meteorologistas sobre ventos potencialmente mortais e tempestades, após deixar pelo menos sete mortos e danos consideráveis no sudeste do Mar do Caribe, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos. Aqui estão as principais características deste furacão e a principal causa deles: um oceano muito mais quente que o normal.

Formado longe das costas

Beryl formou-se na sexta-feira (28) no sudeste das Antilhas e no sábado (29) já se tornou um furacão de categoria 1. A sua formação ocorreu “muito mais a leste do Atlântico do que é habitual nesta época do ano”, disse Andra Garner, climatologista da Universidade Rowan. Este fenômeno está ligado à atual temperatura do oceano Atlântico, que não costuma ser suficientemente quente nestas zonas nesta altura do ano para permitir a formação de uma tempestade deste tipo. “Nunca se formou um furacão tão a leste, tão cedo no ano”, acrescenta Brian McNoldy, pesquisador de furacões da Universidade de Miami, em seu blog.

Rápida intensificação

O furacão Beryl intensificou-se muito rapidamente, em menos de um dia, para se tornar um grande furacão de categoria 4. “É difícil expressar em palavras o quão impressionante isso é”, diz Brian McNoldy. Embora seja “surpreendente ver este fenômeno diante dos nossos olhos”, também está “alinhado com o que a ciência nos diz que podemos esperar de um mundo mais quente”, diz Andra Garner, que publicou um estudo sobre este fenômeno de intensificação. “Nos últimos 50 anos, descobrimos que os furacões têm agora duas vezes mais probabilidade de passar de uma tempestade relativamente fraca – categoria 1 ou inferior – para um grande furacão, categoria 3 ou superior, no espaço de 24 horas”, explica. “Foi isso que Beryl fez.”

De repente, mais potente

Beryl foi para a categoria 4 no domingo (30), último dia de junho. Nunca antes um furacão desta categoria havia sido registrado nesse mês. Na segunda-feira (1º), atingiu a categoria 5, a mais elevada, quebrando em duas semanas o recorde do furacão desta categoria mais cedo na temporada, segundo especialistas. A temporada de furacões vai do início de junho ao final de novembro no Atlântico Norte. Mas de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA), os primeiros grandes furacões (categoria 3 ou superior) geralmente começam a se formar no final de agosto ou início de setembro.

O culpado: um Atlântico superaquecido

A maior razão para o que vemos com Beryl é a temperatura das águas do oceano Atlântico, que está em níveis recordes há mais de um ano. “Quando acordamos de manhã, tomamos uma xícara de café com cafeína para nos animar”, compara Andra Garner. “As águas quentes de um furacão são um pouco como a cafeína do nosso café, permitem que a tempestade continue e ganhe força.” As águas do Atlântico Norte, bem como as do Caribe e do Golfo do México, estão atualmente entre 1°C e 3°C acima do normal, segundo a NOAA. As temperaturas de maio já se aproximavam das esperadas para agosto.

Sendo assim, embora Beryl “não tenha precedentes”, “não posso dizer que seja inesperado do ponto de vista científico”, sublinha a especialista. “Sabemos que quando aquecemos o planeta e os oceanos, tornamos mais provável este tipo de eventos”, acrescenta, apontando para as emissões humanas de gases de efeito estufa. “Beryl é quase exatamente o que esperamos do ponto de vista climatológico.”

Publicado por Carolina Ferreira

*Com informações da AFP

Deu na JP News

Meio Ambiente, Tragédia

Sete em cada dez gaúchos acreditam que políticos poderiam ter evitado a tragédia no RS, diz Datafolha

Uma pesquisa Datafolha revelou que sete em cada dez gaúchos acreditam que as devastadoras enchentes ocorridas nos últimos dois meses no Rio Grande do Sul poderiam ter sido evitadas. O levantamento, que entrevistou 567 moradores do estado, aponta para uma responsabilização ampla que inclui os governos municipal, estadual, federal, parlamentares e até a própria população. As informações são da Folha de S. Paulo.

Os resultados indicam que 75% dos gaúchos consideram que a destruição causada pelas enchentes era evitável. Essa percepção é especialmente forte na região metropolitana de Porto Alegre, onde 81% dos entrevistados compartilham dessa opinião, comparado a 67% no interior do estado.

Segundo especialistas, a falha nos sistemas de diques e contenção, evidenciada pela erosão estrutural e falta de manutenção preventiva ao longo dos anos, contribuiu significativamente para os danos. O engenheiro André Luiz Lopes da Silveira, ex-diretor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da UFRGS, destacou a importância de protocolos rigorosos de inspeção e manutenção para evitar problemas como a ocupação irregular de áreas críticas.

A responsabilidade pelo desastre é amplamente distribuída entre as esferas de governo e a população. No estado como um todo, 85% dos gaúchos atribuem culpa às prefeituras locais, enquanto 84% responsabilizam a própria população. O governo do Rio Grande do Sul é citado por 83% dos entrevistados, e o governo federal por 80%.

Os moradores da região metropolitana são ainda mais críticos em relação aos governos e à população em geral, refletindo um sentimento de insatisfação com as medidas preventivas e de socorro adotadas durante a crise. Em contraste, a avaliação dos mandatários durante a crise apresentou resultados mistos: o governador Eduardo Leite e os prefeitos foram avaliados de forma equilibrada, enquanto o presidente Lula recebeu críticas mais contundentes por sua atuação no socorro às vítimas.

Esses dados refletem não apenas a magnitude do impacto das enchentes, mas também o descontentamento generalizado com a gestão pública e a infraestrutura de prevenção de desastres no estado do Rio Grande do Sul. A pesquisa reforça a necessidade urgente de investimentos em infraestrutura e políticas públicas eficazes para mitigar os efeitos de eventos climáticos extremos no futuro.

Deu na Folha de São Paulo

Tragédia

Incêndio em uma fábrica de baterias de lítio deixa pelo menos 16 mortos na Coreia do Sul

Foto: Hong Ki-won/AP

Um incêndio em uma fábrica de baterias de lítio perto da capital da Coreia do Sul nesta segunda-feira, 24, deixou pelo menos 16 pessoas mortas, sete feridas e seis desaparecidas, segundo as autoridades.

As equipes de resgate da fábrica na cidade de Hwaseong, ao sul de Seul, recuperaram os corpos após vasculhar o local, disse o oficial do corpo de bombeiros local, Kim Jin-young, em uma coletiva de imprensa televisionada.

Kim disse anteriormente que a maioria dos desaparecidos eram estrangeiros, inclusive chineses.

Segundo as autoridades, os sinais dos telefones celulares das pessoas desaparecidas foram rastreados até o segundo andar da fábrica. Uma testemunha disse às autoridades que o incêndio começou depois da explosão de baterias no momento em que os trabalhadores estavam examinando e embalando, mas a causa exata seria investigada.

Kim disse que as pessoas encontradas mortas provavelmente não conseguiram escapar pelas escadas até o chão. Ele disse que as autoridades investigarão se os sistemas de extinção de incêndio funcionaram.

Kim disse que um total de 102 pessoas estavam trabalhando na fábrica antes do incêndio.

O presidente Yoon Suk Yeol ordenou anteriormente que as autoridades mobilizassem todo o pessoal e equipamentos disponíveis para encontrar sobreviventes, de acordo com seu gabinete.

Deu no Estadão

Tragédia

Caso do grave acidente do médico Charles Sá : Verdades e Fake News

 

Muita Fake News tem sido divulgada na imprensa ( inclusive na Globo News) nos últimos dias sobre o grave acidente ocorrido na Namíbia, na última terça-feira 18, com o competente cirurgião plástico Charles Sá e sua esposa Natale Gontijo, que resultou na morte de 9 pessoas, inclusive da Natale.

Hoje a cidade do sol acordou com a notícia e boatos que o médico Charles Sá teria sido preso na Namíbia, e estaria numa cela normal.

A VERDADE

Essa informação não procede. A verdade é que Charles Sá está mantido sob guarda policial em um Hospital de Otjiwarongo, por ordem do juiz do caso, por questões de segurança do próprio médico, até que ele se apresente ao Tribunal na próxima quinta-feira dia 27.

Esta informação foi confirmada ao Libertários pelo próprio irmão de Charles, o cirurgião dentista Ricardo Sá, que também confirmou que na próxima segunda-feira estará embarcando de Natal com destino à Namíbia para ajudar o irmão na resolução dos problemas desse trágico acidente.

A verdade é Charles Sá está sendo premeditadamente julgado e esculachado por alguns,  antes mesmo que as informações completas cheguem ao conhecimento de todos.

O médico Charles Sá, além de ser um profissional da maior qualidade, é um ser humano correto, íntegro, e de grande caráter.

Muitos se aproveitam do triste e trágico momento que se abateu sobre Charles para desfilarem suas frustrações e invejas incontidas, reverberando mentiras e fake News sobre este terrível acidente.

Charles Sá se apresentará ao Tribunal na Namíbia na próxima quinta-feira, dia 27, para aí sim, dizer com todas as letras o que realmente aconteceu no acidente.

Pré julgamentos e “achismos” só atrapalham neste momento de dor de todos os envolvidos nesse brutal acidente.

Que Charles seja julgado por fatos concretos do que realmente aconteceu no fatídico dia, com todos os direitos de um cidadão de bem, que sempre zelou pelas boas práticas de civilidade e respeito.

Se houve impudência ou direção perigosa por parte do médico no acidente, que seja cumprida a Lei da Namíbia e ele pague pelos eventuais danos e erros.

Não devemos exigir mais do que isso!!!

Condenar previamente um profissional exemplar, um homem de caráter irretocável, é, no mínimo, uma grande maldade e uma babaquice estúpida sem tamanho.

Nós, do Blog Os Libertários, torcemos pela pronta recuperação e volta de Charles Sá ao Brasil, dentro do ordenamento jurídico, respeitando e cumprindo todas as determinações da justiça do País africano, e que ele possa retomar sua vida e atenuar as dores de perder o grande amor da sua vida nesse terrível acidente .

 

 

 

 

 

Tragédia

Cirurgião Plástico Charles Sá sofre grave acidente na Namíbia; 8 pessoas morreram, incluindo a esposa Natale Gontijo

A Cirurgiã plástica potiguar Natale Gontijo e outras 7 pessoas morreram em um grave acidente de carro na Namíbia, África. Foto: Instagram

 

A cirurgiã plástica Natale Gontijo e outras 7 pessoas morreram nesta terça-feira (18) em um grave acidente de carro na Namíbia, África. Ela e o marido, o também cirurgião Charles Sá, estavam cruzando a África em um SUV 4×4. Nas redes sociais, eles postaram fotos na frente do carro que estavam. Natale Gontijo foi assistente direta  Ivo Pitanguy por 20 anos e era PhD em células-tronco pela Universidade de Verona (Itália).

Há um dia ele postou uma explicação sobre como seria a viagem: “Hoje a gente começa nosso safari expedicionário por alguns países africanos. Vamos cruzar a Africa em Suv 4×4… Só nós dois… Sem guia… Passaremos por vários parques e reservas contemplando a natureza primitiva… Sua dinâmica e suas regras… Ano passado ficamos alguns dias em um único lodge na reserva @Sabi Sabi reserve @sabisabireserve . Este ano… iremos visitar e se hospedar em vários lodges nas diferentes reservas/regiões da África”, postou.

Confira a postagem completa:

 

De acordo com o jornal The Namibian, “oito pessoas perderam a vida numa colisão frontal na estrada B1 entre Otjiwarongo e Otavi na tarde de terça-feira. A inspetora sênior de Otjozondjupa, da subdivisão de policiamento comunitário, Maureen Mbeha, confirmou que o acidente aconteceu cerca de 20 km em direção a Otavi”.

Ainda de acordo com o jornal, “uma investigação preliminar revela que um veículo, que viajava de Otjiwarongo, estava a ultrapassar outro veículo quando colidiu frontalmente com um veículo de sete lugares que se aproximava. Todas as pessoas falecidas estavam no sete lugares. As investigações policiais ainda estão em andamento”.

De acordo com a Eagle FM Namibiam, “a polícia da região de Otjozondjupa relatou esta tarde um acidente fatal ocorrido a 20 km de Otavi, a partir de Otjiwarongo, na estrada B1, que resultou na morte de oito pessoas”. “Segundo o boletim de ocorrência, os oito indivíduos perderam a vida no local. Alega-se ainda que o veículo que viajava de Otjiwarongo estava ultrapassando outro veículo quando colidiu frontalmente com um veículo de 7 lugares que se aproximava”. A postagem da Eagle FM acrescenta ainda que “todas as sete pessoas falecidas eram do veículo de 7 lugares”.

Veja a postagem da rádio:

 

A NBC Digital News fez um vídeo do local do acidente. Assista:

Deu no Novo Notícias

Tragédia

Pimenta bate boca com deputados ao ser cobrado por perseguição a críticos do governo

Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

O ministro Paulo Pimenta, da Secretaria Extraordinária de Reconstrução do Rio Grande do Sul, discutiu com deputados da oposição nesta terça (11) ao participar da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Ele foi convocado para explicar as ações do governo no enfrentamento à tragédia climática no Rio Grande do Sul e a perseguição a críticos do Planalto.

Ainda durante o auge da tragédia, Pimenta pediu a abertura de um inquérito à Polícia Federal por uma suposta disseminação de fake news em relação às ações do governo. “Quem dissemina mentiras em meio à crise deve ser tratado como traidor”, disparou.

Foi o estopim para o início das discussões. O deputado Paulo Bilynskyj (PL-PR), responsável pelo convite à comissão, atacou o ministro e questionou o uso de um helicóptero para deslocamentos no estado.

O parlamentar entregou a ele um boleto de R$ 160 mil, que seria o custo da viagem, e acusou Pimenta de ter “uma moral de esgoto”. O ministro defendeu-se dizendo que usou a aeronave conforme parâmetros legais.

Pouco depois, Eduardo Bolsonaro (PL-SP) criticou o pedido de Pimenta para a investigação de fake news. O ministro enviou ao ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, um ofício solicitando “providências cabíveis” para apurar ilícitos relacionados à desinformação que, segundo ele, buscava tirar a credibilidade das entidades envolvidas nas ações de enfrentamento às inundações no estado.

Já o deputado Gilvan da Federal (PL-ES) criticou a vestimenta de Pimenta, que usava um casaco laranja do Grupo de Apoio a Desastres. “Ridícula essa jaqueta que o senhor usa, é repugnante ver um ministro preocupado com fake news e comendo churrasco”, afirmou Gilvan.

Pimenta respondeu dizendo que lamenta Gilvan “olhar para essa jaqueta e dizer que ela é patética. Vim aqui em homenagem aos trabalhadores da Defesa Civil. O senhor é uma vergonha para esta casa, para o estado e para o Brasil”.

Por conta da sessão tumultuada, Pimenta deixou a Câmara às 18h, conforme havia comunicado a presidente da CCJ, Carolina de Toni (PL-SC). No entanto, a saída ocorreu no meio de um questionamento da deputada Julia Zanatta (PL-SC) e foi alvo de gritos de “fujão”.

Ao sair, disse à imprensa que “não existe mais respeito e tolerância na Câmara”. Pimenta passou 3h30 sendo confrontado por congressistas da oposição.

Deu na Gazeta do Povo