Emprego

Total de brasileiros trabalhando sobe 5,3 milhões

Total de brasileiros trabalhando sobe 5,3 milhões

 

O número de brasileiros ocupados chegou ao recorde de 98,3 milhões em maio deste ano, o que representa alta de 5,3 milhões em relação a dezembro de 2018, quando esse total somava 93 milhões, segundo o IBGE.

A marca nunca antes atingida pelo Brasil foi muito comemorada pela equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro, que já dá como certo superar 100 milhões de pessoas ocupadas durante a campanha.

O salário médio na contratação também disparou 24% nesse período, passando de R$ 1,531 em 2018 para os R$ 1,898 de maio deste ano.

Se o número de brasileiros ocupados disparou, o de desempregados segue em queda e baixou para 9,3%, a menor taxa desde 2015.

Os resultados refletem melhora na economia, que fez até mesmo o FMI revisar a previsão de crescimento do PIB brasileiro de 0,8 para 1,7%.

 

Informações são do Diário do Poder.

Emprego

Desemprego recua para 9,3%, menor nível desde 2015, diz IBGE

 

A queda no desemprego, no segundo trimestre deste ano, foi marcada por um recorde no total de ocupados. O País registrou entre abril e junho 98,269 milhões de trabalhadores ocupados, entre formais e informais, recorde da série histórica do IBGE, iniciada em 2012.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta sexta-feira (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de desemprego, de 9,3%, é a menor para segundos trimestres desde 2015, quando ficou em 8,4%.

Na comparação com o segundo trimestre de 2021, os dados apontam para a criação de 8.885  milhões de empregos, entre formais e informais, ainda que paguem salários menores. Em um ano, o rendimento médio do trabalhou caiu 5,1%, corroído pela inflação elevada, segundo a PNAD.

Segundo Adriana Beringuy, coordenadora de Pesquisas Domiciliares do IBGE, a geração de vagas foi “disseminada”. Além disso, na passagem do primeiro para o segundo trimestre, foi puxada pelos postos formais.

Ao longo da retomada após a economia ser atingida em cheio pela pandemia de covid-19, o motor da geração de empregos vinha sendo o setor informal. Segundo a pesquisadora, houve períodos em que as vagas informais responderam por “quase 80%” da expansão de empregos. No segundo trimestre deste ano, as vagas formais responderam por dois terços dos novos postos.

“É um dado forte, de desemprego caindo mais fortemente do que o esperado. O mercado informal se recuperou bem, mas o que surpreendeu foi o crescimento do emprego formal”, disse Natália Cotarelli, economista do Itaú Unibanco.

Deu na Tribuna do Norte

Emprego

RN abre 3.606 empregos formais em junho, o melhor saldo do ano

 

A economia do Rio Grande do Norte criou 3.606 empregos com carteira assinada no mês de junho, resultado de 16.741 contratações e 13.135 demissões. O saldo cresceu 8,74% ante maio, sendo o maior registrado neste ano, e o melhor para o sexto mês do ano desde 2008, quando foram gerados 3.913 postos formais de trabalho.

As estatísticas são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quinta-feira (28) pelo Ministério do Trabalho e Previdência. Os dados mostram ainda que o Estado fechou o semestre com um saldo positivo de 5.785 postos formais, resultado de 95.398 admissões e 89.613 desligamentos no período.

Com o resultado, o estoque total de trabalhadores celetistas – ou seja, com vínculo formal de trabalho e direitos e deveres regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) formais — atingiu 445.442 no Rio Grande do Norte. Em junho, o mercado de trabalho formal cresceu em todas os setores, com destaque para a construção civil, que fechou o mês com 777 novas vagas.

Em seguida, vem a agropecuária, que voltou a contratar com o início da safra de vários grãos e, principalmente, da fruticultura, e apresentou o primeiro saldo positivo de 2022: 747 novos postos formais.

Esse resultado decorre de 1.026 contratações e 279 desligamentos. Nos meses anteriores, a agropecuária vinha registrando saldos negativos, com o número de demissões superando o de admissões. Entre janeiro e maio deste ano, durante a entressafra, o setor registrou saldo negativo de 5.348 empregos. Em janeiro, o agronegócio contratou 372 trabalhadores com carteira assinada e demitiu 1.691, ficando o saldo negativo de 1.219.

Em fevereiro, as empresas da agropecuária contrataram 391 pessoas e demitiram 1.624, terminando o mês com saldo negativo de 1.233. Em março, as estatísticas mostraram uma situação ainda mais negativa. O setor contratou 226 trabalhadores com carteira assinada e demitiu 2.366, ficando o saldo negativo de 2.140.

A agropecuária potiguar começou a mostrar leve recuperação em abril com a contratação de 442 e a demissão de 1.082, ficando saldo negativo de 640. Em maio, 463 trabalhadores foram contratados com carteira assinada e 479 desligados. Naquele mês, o saldo ficou negativo em 16 postos. No ano, o setor continua negativo em 4.601.

Para o segundo semestre, a expectativa é de geração de 50 mil empregos, segundo o  titular da Secretária de Estado da Agricultura, da Pecuária e da Pesca (Sape), Guilherme Saldanha. Além disso, a Federação da Agricultura e Pecuária do RN (Faern) prevê aumento de investimentos na agricultura familiar potiguar, o que pode alavancar empregos.

“A cana-de-açúcar, que também é uma lavoura importante, a colheita ocorre no segundo semestre, a partir de agosto de setembro, também é algo que ajuda muito na geração de emprego. Eu não tenho dúvida de que vai contribuir muito, tornando esse saldo do Caged positivo”, complementa Saldanha.

Informações da Tribuna do Norte

Emprego

Primeiro emprego : Abertas as inscrições para Coletivo Online

O Instituto Coca-Cola Brasil, por meio de uma parceria com a Coordenadoria do Trabalho da Secretaria de Assistência Social, deu início nesta segunda-feira (4) ao prazo para inscrições no curso que aproxima jovens de 16 a 25 anos do mercado de trabalho. Quem está nessa faixa etária, mora em comunidades urbanas de baixa renda e já concluiu ou está cursando o ensino médio pode se inscrever.

O curso é voltado aos jovens que procuram qualificação para conseguir oportunidades de emprego, é gratuito e 100% digital. As inscrições podem ser feitas pelo link.

O formato do programa permite que o jovem faça o curso de qualquer lugar, a qualquer momento, através de seu WhatsApp, aplicativo amplamente utilizado em todo o país. O conteúdo é composto por 11 videoaulas curtas e objetivas, focadas em temas do mundo do trabalho, elaboração de plano de vida, planejamento financeiro, construção de currículo e como se preparar para entrevistas e processos seletivos.

Os participantes terão até 4 semanas para assistir às videoaulas e fazer as atividades práticas. Ao final do curso, poderão receber um certificado de conclusão e se cadastrar nas comunidades de vagas do programa, podendo se candidatar aos processos seletivos de uma rede de parceiros de mais de 400 empregadores. As vagas são limitadas.

A iniciativa faz parte da Plataforma Coletivo Jovem, que tem como foco a empregabilidade de jovens de 16 a 25 anos, em situação de vulnerabilidade social. Desde o início de sua implementação, em 2009, a plataforma – nos formatos presencial e online – já impactou mais de 300 mil jovens em comunidades brasileiras espalhadas por todos os 26 estados do país e no DF, chegando a 1.857 municípios.

Do total de beneficiados, mais de 80 mil tiveram acesso ao mercado de trabalho. A aceleração de iniciativas digitais está conectada ao compromisso do Instituto Coca-Cola Brasil de impactar milhões de jovens na temática de inclusão produtiva como uma das alavancas de transformação e crescimento econômico para o país.

Sobre o Instituto Coca-Cola Brasil

O Instituto Coca-Cola Brasil (ICCB) é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que, há 23 anos tem como missão a transformação social em larga escala por meio da articulação de parceiros e da capilaridade do Sistema Coca-Cola Brasil. Reconhecido por sua tecnologia social e capacidade de escala, assumiu o compromisso público de, até 2030, impactar milhões de jovens através do empoderamento econômico, incluindo intencionalmente as perspectivas de equidade de gênero e raça. Até hoje, o ICCB já beneficiou 518 mil pessoas.

 

Emprego

Taxa de desemprego cai para 9,8% e atinge menor patamar no trimestre desde 2015

 

A taxa de desemprego caiu para 9,8% no mês de maio, mas segue atingindo 10,6 milhões de brasileiros. Os dados foram divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira, 30, na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

Essa foi a menor taxa de desemprego desse trimestre desde 2015, quando o índice atingiu 8,3%. No comparativo com o trimestre anterior, de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, a taxa caiu 1,4% e em comparação ao trimestre de 2021 a queda foi de 4,9%.

O número de pessoas ocupadas atingiu 97,5 milhões, sendo a maior marca da série histórica iniciada em 2012 e mostrando uma alta de 2,4% em relação ao semestre anterior e de 10,6% na comparação com 2021. Em números absolutos, isso representa um aumento de 2,3 milhão de ocupados no trimestre e 9,4 milhões no ano.

Segundo a pesquisa, o número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado cresceu 2,8% no trimestre, atingindo 35,6 milhões. No ano, a taxa cresceu 12,1%. A taxa de informalidade da população ocupada foi de 40,1%, o e que equivale a 39,1 milhões de trabalhadores. No trimestre anterior, o índice foi de 40,2%.

O rendimento real foi apurado em R$ 2.613, mostrando uma estabilidade em relação ao trimestre anterior, mas queda de 7,2% na comparação anual. A massa de rendimento real habitual foi de R$ 249,8 bilhões, mostrando crescimento tanto no trimestre (3,2%) quando no ano (3%).

Informações da Jovem Pan

Emprego

No 1º ano da pandemia, RN teve o menor números de mulheres assalariadas na última década

 

Mais saldo negativo do Governo Fátima leva o RN para as piores posições do País. Em 2020, primeiro ano da pandemia, as empresas e organizações do Rio Grande do Norte tinham 229.898 mulheres ocupadas, a menor quantidade registrada nos últimos 10 anos.

Os dados são da pesquisa Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – 2020 (Cempre 2020), e foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comparado a 2019, a queda foi de 4%, o que significa uma redução de cerca de 10 mil mulheres ocupadas. Em relação aos homens, o número de assalariados foi de 298 mil, ocorrendo uma redução de pouco mais de mil trabalhadores quando comparado aos números de 2019.

Deu no G1

Emprego

Ufersa lança edital de concurso com 6 vagas para professor efetivo

Foto: Isaiana Santos

A Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) lançou um edital de concurso para seleção de seis professores efetivos do Magistério Superior.

São cinco oportunidades para o Campus Angicos e uma vaga para o Campus Sede, em Mossoró, conforme os perfis dos candidatos e os regimes de trabalho estabelecidos.

A inscrições para o concurso começam no dia 15 de junho e vão até 11 de julho. A inscrição deve ser feita na página da Comissão Permanente de processo Seletivo (CPPS) no Portal Ufersa, na qual também está disponível a íntegra do edital e toda a documentação necessária.

O pagamento da taxa de inscrição pode ser feito até o dia 12 de julho. O processo seletivo se dará em três fases: prova escrita e prova didática, ambas em caráter eliminatório, e exame de títulos, em caráter classificatório.

Com informações do G1 RN