Esporte

Paris 2024: China convoca 11 nadadores envolvidos em escândalo de doping para as Olimpíadas

Foto: MANAN VATSYAYANA/AFP

A China incluiu 11 nadadores envolvidos em um escândalo de doping na equipe que disputará os Jogos Olímpicos de Paris, segundo a lista de atletas anunciada pelo país asiático. Vinte e três nadadores chineses testaram positivo para trimetazidina – um medicamento para o coração proibido desde 2014 porque pode melhorar a circulação sanguínea – antes dos Jogos de Tóquio em 2021, informaram o jornal New York Times e o canal alemão ARD em abril. Os nadadores não foram punidos depois que a Agência Mundial Antidoping (Wada) aceitou o argumento das autoridades chinesas de que o caso foi provocado por contaminação alimentar.Vários envolvidos conquistaram medalhas em Tóquio, inclusive de ouro, e 11 foram selecionados para integrar a equipe olímpica chinesa em Paris-2024. A equipe inclui Zhang Yufei, especialista no nado borboleta e que conquistou duas medalhas de ouro nos Jogos de Tóquio, e Wang Shun, campeão olímpico dos 200 metros medley.

A decisão da Wada de não punir os nadadores chineses recebeu muitas críticas, em particular nos Estados Unidos. O diretor da agência antidoping americana, Travis Tygart, chamou a situação de “potencial acobertamento”, o que a Wada negou. A Agência Mundial Antidoping anunciou que enviará uma equipe de auditoria à China para “avaliar a situação atual do programa antidoping do país”. Pequim afirmou que vai cooperar com a investigação. O Ministério das Relações Exteriores da China reiterou nesta terça-feira o compromisso de “tolerância zero com o doping”. “A China sempre se preocupou em preservar a saúde física e mental dos atletas, a equidade das competições esportivas e fez contribuições positivas para a luta mundial antidoping”, declarou o porta-voz do ministério, Lin Jian.

Publicado por Luisa Cardoso

*Com informações da AFP

Esporte

Série D: América empata em 1 a 1 com Treze/PB; veja fotos da partida

Foto: Gabriel Leite

O América empatou em 1 a 1 com o Treze/PB na partida que aconteceu na noite deste domingo (16), na Arena das Dunas, pela 9º rodada do Campeonato Brasileiro Série D. O gol que abriu o placar foi feito pelo jogagor do Alvirrubro, Wenderson, aos oito minutos do segundo tempo.

O Treze/PB, por sua vez, alcançou o empate ao final do jogo no estádio. O gol foi feito pelo Galo aos 40 minutos do segundo tempo, com lance do jogador Wanderson.

A bola rolou no cenário em que o Alvirrubro já acumulava uma vitória, dois empates e uma derrota nos últimos quatro jogos. Já o Treze veio de uma série de 3 vitórias e 1 empate.

Deu na Tribuna do Norte

Esporte

Seleção feminina de vôlei arrasa Turquia e conquista feito inédito na Liga das Nações

Foto: Divulgação

 

A seleção brasileiro feminina de vôlei continua fazendo história na Liga dos Nações e deve ir aos Jogos Olímpicos de Paris-2024 com a moral elevada. A equipe de José Roberto Guimarães derrotou a Turquia, atual campeã do torneio, por esmagadores 3 sets a 0, parciais de 25/14, 25/14 e 25/19, em 1h11min de partida. Com isso, conquistou um feito inédito ao terminar a primeira fase invicta.

Nunca antes um país conseguiu passar pela primeira fase sem perder ao menos um jogo. O feito só confirma o bom momento da seleção brasileira, que assumiu a liderança do ranking da Federação Internacional de Vôlei (FIVB) entre as mulheres no último sábado, graças à vitória da China sobre a própria Turquia

Com 12 vitórias em 12 jogos, o Brasil terminou a primeira fase da Liga das Nações na liderança e enfrentará, nas quartas de final, a Tailândia, que terminou na 13ª colocação, com apenas três triunfos. As tailandesas só se classificaram por serem o país sede da fase final. O jogo será em Bangkok.

O técnico Zé Roberto tratou o jogo com seriedade e colocou em quadra a sua equipe titular, formada por Roberta, Rosamaria, Gabi, Ana Cristina, Thaisa, Carolana e Nyeme. Com a escalação principal, o Brasil foi dominante e chegou a conquistar 13 pontos consecutivos, fechando o primeiro set por 25/14.

Diferente da equipe brasileira, o técnico Daniele Santarelli rodou bastante a sua equipe, que não conseguiu igualar o nível do Brasil e foi novamente amassada no segundo set. Com apenas 20 minutos, a seleção de Zé Roberto fechou novamente com um 25/14.

O terceiro set começou mais equilibrado, com a Turquia dando mostras que poderia reagir. Mas o bom momento durou pouco. Sob o comando de Rosamaria, que somou 14 pontos no duelo, o Brasil virou com extrema facilidade e chegou a abrir 20/12. Com a larga vantagem, a equipe de Zé Roberto só administrou a reta final da partida para confirmar a vitória arrasadora com um 25/19.

Deu no Estadão

Esporte

Policiais alemães pedem que torcedores fumem maconha em vez de beber álcool durante Eurocopa

CLEMENS BILAN/EFE/EPA

Às vésperas da estreia da seleção inglesa na Eurocopa, policiais da Alemanha fizeram um pedido inusitado aos torcedores: que optem por fumar maconha em vez de consumir álcool, de acordo com a imprensa do Reino Unido. O objetivo era evitar comportamentos agressivos antes e depois do jogo contra a Sérvia, considerado perigoso pelas autoridades alemãs. A Euro 2024, sediada na Alemanha, teve início na última sexta-feira. O consumo de cannabis é descriminalizado no país. O confronto entre Sérvia e Inglaterra ocorrerá neste domingo (16), em Gelsenkirchen, no estádio do clube Schalke 04, com a proibição da venda de bebidas alcoólicas com alto teor como medida de contenção de possíveis atitudes agressivas. A legalização da maconha na Alemanha, em abril deste ano, permite que os torcedores fumem nas ruas, embora não seja permitido dentro de estádios, bares ou praças da cidade.

O porta-voz da polícia, Stephan Knipp, explicou ao jornal “The Sun” que a maconha pode deixar as pessoas de bom humor, sendo uma estratégia adotada por precaução de segurança. Segundo Knipp, a abordagem será focada nos fãs que estiverem consumindo álcool e apresentando comportamento potencialmente violento, em detrimento dos que optarem pela cannabis. Na lógica da polícia alemã, o consumo de álcool pode levar a atitudes agressivas, enquanto a maconha tende a deixar as pessoas mais tranquilas.

*Reportagem produzida com auxílio de IA

Esporte

Após insultos racistas contra Vini Jr, torcedores do Valencia são condenados

Reprodução/Twitter @LALIGABRA

Na manhã desta segunda-feira (10), LALIGA anunciou a prisão de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra o atacante Vinicius Júnior, do Real Madrid. O trio foi condenado a oito meses de prisão, além de terem sido banidos por dois anos dos estádios, e terão que arcar com as custas do processo.

O caso ocorreu em maio de 2023 no confronto entre Valencia e Real Madrid, no estádio Mestalla, casa do Valencia. O jogo foi paralisado aos 24 minutos do segundo tempo, quando torcedores do time mandante insultavam Vini de “mono” (macaco, em espanhol).

Esta foi a primeira sentença condenatória por insultos racistas em um estádio na Espanha. Os três acusados foram considerados culpados de “delito contra a integridade moral do art. 173.1 do Código Penal com agravante de discriminação por motivos racistas (art. 22.4 do Código Penal)”.

Durante a audiência, os acusados leram uma carta com pedido de desculpas a Vinicius Júnior, a LALIGA e ao Real Madrid.

O presidente de LALIGA, Javier Tebas celebrou a condenação; “Esta sentença é uma ótima notícia para a luta contra o racismo na Espanha, pois repara os danos sofridos por Vinicius Júnior e envia uma mensagem clara para aquelas pessoas que vão a um estádio de futebol para insultar que LALIGA irá detectá-los, denunciá-los e haverá consequências criminais”.

No seu retorno ao Mestalla nove meses depois do caso, Vini Jr foi novamente hostilizado por torcedores do Valencia. O jogo terminou empatado em 2 a 2, com direito a dois gols do brasileiro.

Deu na CNN Brasil

Esporte

Por que Natal não foi anunciada como sede na Copa do Mundo Feminina?

 

“Não está recebendo nem amistosos, vai receber jogo da Copa?”, comenta treinadora potiguar, Denise Fernandes, sobre a Arena das Dunas. Com o anúncio de que o Brasil será sede da Copa do Mundo Feminina de 2027, feito no dia 17 de maio, a empolgação para o país voltar a estar no centro do maior evento esportivo do mundo foi notável. No entanto, após a divulgação da lista de estádios que vão receber os jogos, foi inevitável o questionamento sobre a ausência de Natal e do Rio Grande do Norte como um dos palcos do evento.

A escolha das cidades que vão sediar a Copa foi feita antes da confirmação de que o Brasil receberia o evento. No vídeo de apresentação da candidatura brasileira ao mundial feminino, em maio deste ano, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Ministério do Esporte (MESP) já haviam definido quais as cidades receberiam o torneio no evento da FIFA.

E o trajeto da CBF para entregar os convites às capitais no nordeste foi feito pelo secretário-geral Alcino Rocha. No dia 26 de setembro de 2023, Rocha foi até Salvador, na Bahia, entregar o primeiro convite. No encontro, a CBF formalizou a proposta com representantes do governo baiano na Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre).

Já em 27 de setembro, foi a vez de Recife receber o convite oficial da CBF. Na capital pernambucana, Rocha anunciou a inclusão da cidade no torneio mundial, durante evento na Federação Pernambucana de Futebol (FPF). Por fim, no dia 28 de setembro, foi a vez de Fortaleza, no Ceará, receber o convite. Pelas mãos de Alcino Rocha, o governador cearense recebeu a convocação para sediar o evento da FIFA.

Surpresa
“Surpreendente”, foi assim que o Governo do RN e a Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF) descreveram o fato de Natal ficar de fora da Copa.

Segundo o Governo, a corrida do RN para se tornar uma das sedes do evento teria começado em Outubro do ano passado. O secretário estadual de Esportes (SEL), Cézar Nunes, informou que o Estado buscou contato com o ministro do esporte André Fufuca para ser uma das opções de sede. “Ainda no ano passado, no mês de outubro, quando a gente teve o conhecimento oficial de que o Brasil estava se candidatando a ser sede da Copa, por orientação da governadora, solicitamos ao Ministério do Esporte (a inclusão)”, esclarece o titular da pasta.

De acordo com o secretário, toda a comunicação sobre o RN ser um dos palcos do mundial com o ministério foi feita via Gabinete Civil. “Ministério deu um OK e disse que essas questões das sedes iriam ser discutidas logo após o anúncio da escolha do Brasil ser sede ou não. Com tudo isso, ficamos aguardando e aí fomos surpreendidos naquela última sexta-feira (dia 17)”, explica Cézar Nunes.

Já para o presidente da FNF, José Vanildo, as negociações para trazer a Copa para o RN se deram apenas em novembro. “No mês de novembro do ano passado, o próprio governo do Estado já tinha manifestado esse desejo ao ministro Fufuca”.

Apesar disso, não houve avanços. Cerca de três meses após o primeiro contato oficial, em fevereiro de 2024, a FIFA, junto com membros da CBF, visitou as 10 cidades e os estádios, elaborando o relatório que foi votado pelos membros do comitê. Natal não estava no roteiro. Posteriormente, essa votação elegeu o Brasil como sede.

Diante do cenário, restou ao RN e seus representantes correr atrás para reverter o jogo. Para o presidente da FNF, Natal ainda tem tempo para seja incluída como sede: “Há um tempo razoável de três anos para a realização de evento. Temos questões, por exemplo, no Rio Grande do Sul, que pelo momento que atravessa, a gente não sabe como vai ser essa definição. Então, haverá, sim, esse reexame ”.

Outros meios também foram utilizados, depois do anúncio. A governadora Fátima Bezerra se reuniu com o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, para avaliar a candidatura potiguar. “A CBF assumiu um compromisso com a Federação, com o Governo do Estado, e ainda nesse mês de junho e já envia uma comissão, da comissão organizadora, agora na condição de Brasil como sede, de visitar novamente o Estado e oferecer uma nova avaliação com possibilidade do Rio Grande do Norte passar a integrar como a sede do evento”, afirmou José Ivanildo.

Em relação a visita da CBF, tanto o Governo do RN quanto a FNF não sabem informar quando irá ocorrer. José Ivanildo afirma que será neste mês. Já o secretário Cézar Nunes diz que pode ser que ocorra entre junho e agosto: “Ainda não sabe se em junho ou em agosto, mas terá visita técnica da CBF para, possivelmente, também estar entre as concorrentes”.

Deu na TN

Esporte

Endrick salva Brasil, que vence México em jogo de falhas defensivas e dificuldades de criação

Foto: JULIO CORTEZ/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O Brasil venceu o México por 3 a 2 na noite deste sábado, no Estádio Kyle Field, no Texas. O primeiro dos últimos testes antes da Copa América mostrou um time que pouco brilhou no jogo coletivo, mas contou com talentos individuais para abrir e ampliar o placar. Em falhas defensivas, porém, o time mexicano buscou o empate, que só não permaneceu por gol de Endrick nos acréscimos.

Dorival Júnior ousou na ideia de teste antes da Copa América. O técnico escalou um time completamente diferente dos que começaram na última Data Fifa, contra Inglaterra e Espanha. Assim, Vinicius Jr. e Rodrygo, por exemplo, começaram no banco. Endrick também não iniciou o jogo entre os 11 do time alternativo, dando lugar ao estreante Evanilson.

Os titulares de fato devem jogar desde o início na próxima partida, contra os Estados Unidos, na quarta-feira, dia 12, no Estádio Camping World, em Orlando. Também neste sábado, a seleção americana perdeu por 5 a 1 para a Colômbia.

Andreas Pereira, que comemorou o retorno à seleção após seis anos, na primeira convocação de Dorival, e agradou o treinador, deu mais motivos para continuar a vestir a amarelinha. O camisa 19 cumpriu a instrução técnica de explorar o espaço entre as linhas mexicanas. Foi ali, que logo aos cinco minutos, ele recebeu passe de Savinho para tirar dois marcadores e abrir o placar em chute na entrada da área.

O primeiro tempo, contudo, concentrou a emoção nesses primeiros minutos. O restante mostrou um confronto físico na intermediária do campo e um jogo econômico em criatividade. Centroavante, Evanilson por vezes tentou buscar a bola próximo de Ederson e Douglas Luiz. Na transição ofensiva, Martinelli e Savinho tiveram poucas tentativas de arrancar em velocidade, como era esperado dos jogadores escalados nas pontas do ataque.

Por outro lado, ainda que a equipe que foi a campo nunca tenha jogado junto antes, o time demonstrou certa harmonia na defesa. É bem verdade, porém, que os defensores brasileiros contaram com o campo do Estádio Kyle Field, menor (100mx64m) em relação à metragem tradicional (105m68m) e que dificultou a procura por espaços.

Sem mudanças nos nomes em campo, Dorival orientou que Yan Couto avançasse, permitindo que o ponta da direita jogasse por dentro. O segundo tempo, no entanto, começou na mesma tônica até que um lançamento de Militão encontrou Yan Couto, que invadiu a área e deu um passe de presente para Martinelli para ampliar o placar, em lance que consagrou a mudança tática do treinador.

Dorival promoveu os ingressos de Pepê, Lucas Paquetá e Endrick. O atacante ex-Palmeiras mostrou vontade e conseguiu criar uma chance de gol logo no primeiro lance, o que já superou todo tempo de Evanilson em campo. A seleção brasileira, porém, continuou com dificuldades em criação coletiva. Diferente do time mexicano, que buscou mais o ataque com as entradas de Vega e Pineda.

Quem se consagrou desta vez foi o técnico Jaime Lozano. Vega recebeu de Antuna após saída errada de Paquetá e cruzou para Quiñones descontar. Lance semelhante poderia já ter acontecido antes, já que a seleção brasileira pecava na saída de bola.

Vinicius Júnior e Bruno Guimarães ingressaram logo em seguida, em substituições planejadas já antes do gol mexicano. O camisa 7 elevou o ânimo dos torcedores, de maioria mexicana. Mais do que o astro campeão da Liga dos Campeões com Real Madrid e cotado para a Bola de Ouro, Vinicius elevou o nível da partida, fazendo corridas diagonais e aproximando-se de Endrick. Os dois farão parte do mesmo ataque na equipe merengue após a Copa América e já demonstram entrosamento.

O jogo coletivo brasileiro permaneceu ineficiente. As falhas defensivas cobraram novamente, com empate de Guillermo Ayala, após escanteio mexicano e defesa de Alisson. O empate por 2 a 2 nos acréscimos seria um banho de água fria, mas a nova dupla madrilenha desequilibrou: Vinicius Júnior cruzou e Endrick cabeceou para salvar a seleção brasileira.

FICHA TÉCNICA:

MÉXICO 2 X 3 BRASIL

MÉXICO – Julio González, Reyes, Edson Álvarez, Johan Vásquez, e Arteaga; Luis Chávez (Alexis Vega), Romo e Carlos Rodríguez (Pineda); Antuna (Cortizo), Julián Quiñones (Huerta) e Santiago Giménez (Martínez). Técnico: Jaime Lozano.

BRASIL – Alisson, Yan Couto, Éder Militão, Bremer, Guilherme Arana; Ederson (João Gomes), Douglas Luiz (Bruno Guimarães) e Andreas Pereira (Lucas Paquetá); Savinho (Vinicius Jr), Evanilson (Endrick) e Gabriel Martinelli (Pepê). Técnico: Dorival Júnior.

GOLS – Andreas Pereira, aos cinco minutos do primeiro tempo; Gabriel Martinelli aos nove, Quiñones aos 28, Ayala aos 47 e Endrick aos 51 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Lukasz Szpala (EUA).

CARTÕES AMARELOS – Endrick, Yan Couto e Éder Militão

PÚBLICO – 85.249 pessoas.

LOCAL – Estádio Kyle Field, em College Station, nos Estados Unidos.

Estadão Conteúdo

Esporte

Série C: Fora de casa, ABC arranca empate nos acréscimos contra o Figueirense

crédito: redes sociais Figueirense

Jogando fora de casa, o ABC empatou por 1 a 1 contra o Figueirense/SC no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis.

Jefinho marcou o gol da equipe catarinense aos 41 minutos do primeiro tempo após cruzamento de Samuel.

O alvinegro teve um gol anulado aos 48 do segundo tempo e foi motivo de reclamação.

Mas aos 50 minutos, Wallysson aproveitou uma falha da zaga e marcou o gol do empate do ABC.

Com o resultado, o ABC sobe uma posição e alcança a 10ª colocação com 9 pontos.

O próximo jogo do ABC será na segunda-feira (17), às 20h, contra o Volta Redonda, no estádio Frasqueirão.

Deu na Tribuna do Norte

Esporte

Série D: América derrota Iguatu por 1 a 0 e se garante no G4

Crédito: Gabriel Leite

Com gol de Souza aos 36 minutos do segundo tempo, o América derrotou o Iguatu por 1 a 0 jogando na Casa de Apostas Arena das Dunas neste sábado, em jogo válido pela sétima rodada da Série D.

Com o resultado deste sábado no confronto direto da tabela, o América segue no G4 do grupo com 12 pontos.

O jogo foi marcado por alguns momentos de perigo dos dois lados, inclusive com o Iguatu acertando o travessão aos 47 minutos do segundo tempo.

O próximo jogo do América será na quarta-feira (12), às 19h, contra o Iguatu novamente. Dessa vez, o jogo será no Estádio João Elmo Moreno Cavalcante, no interior cearense.

Deu na Tribuna do Norte

Esporte, Política

Brasil gasta R$ 5 milhões com pré-olímpico dos Brics na Rússia; jogos são propaganda contra Ocidente

Foto: Ricardo Stuckert/PR

Brasil vai enviar 112 atletas para os Brics Games, jogos que a Rússia classifica como pré-olímpicos e acontecem em Kazan entre os dias 12 e 23 deste mês. O ditador russo Vladimir Putin usa o evento como propaganda após seu país ter sido suspenso dos Jogos Olímpicos de Paris. A punição ocorreu devido a uma quebra de regulamento do Comitê Olímpico Internacional relacionada à invasão russa à Ucrânia em fevereiro de 2022.

Moscou está na presidência do bloco dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul, Egito, Etiópia, Irã e Emirados Árabes Unidos) neste ano e, sob o comando de Putin, o evento ganha sua maior edição. A ideia russa é usar os jogos como uma propaganda do Kremlin, que tenta apesentar o bloco dos Brics como uma alternativa à hegemonia política internacional das democracias ocidentais. Além do Brasil, a expectativa é de que mais de 90 países enviem delegações à cidade de Kazan, na Rússia, para participar do torneio esportivo.

Conforme apurou a Gazeta do Povo com o Ministério dos Esportes (MESP), o envio da delegação brasileira ao evento vai ter um custo de R$ 5 milhões ao governo brasileiro. “O valor destinado aos jogos do Brics (R$ 5 Milhões) é parte do orçamento discricionário do MESP, repassado por meio da SNEAELIS – Secretaria Nacional de Esporte Amador, Educação, Lazer e Inclusão Social”, informou a pasta.

Nos últimos meses, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem investido em uma aproximação com a Rússia e fez declarações de aceno ao ditador russo. Em 2023, quando a África do Sul realizou os Brics Games, uma delegação brasileira não foi enviada sob a alegação de falta de recursos. O Ministério dos Esportes afirmou por meio de nota que: “O Brasil condena a violação do território ucraniano, mas também é contrário às sanções promovidas à Rússia, pois defende que elas diminuem o espaço de diálogo e reduzem as chances de uma solução negociada do conflito”.

Os Brics Games, ou Jogo dos Brics, acontecem desde 2016, quando a Índia promoveu a primeira competição esportiva no âmbito do bloco. O país realizou uma competição de futebol sub-17 e, a partir disso, os países que presidiram o Brics nos anos seguintes implementaram competições entre os membros do bloco. Neste ano, contudo, Putin fez um grande esforço para dar ao torneio um caráter semelhante ao das Olimpíadas. Na concepção de analistas, está é uma estratégia do ditador russo para fazer frente às sanções que tem sofrido do Ocidente.

“Para a Rússia a [realização dos Brics Games] é uma alternativa para que possa participar de um evento esportivo internacional já que o país, como um todo, está proibido de participar dos Jogos Olímpicos, a maior competição desportiva do mundo”, avalia o professor Elton Gomes, do departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Além dos países-membros do grupo, cerca de outros 80 países também já confirmaram o envio de delegações para o país, segundo organização da competição. Países como Cazaquistão, Turquia, México, Uruguai, Venezuela, Bahrein e Congo são alguns exemplos. A lista completa de participantes, contudo, não foi divulgada.

Brasil vai competir em 15 modalidades dos Jogos dos Brics

Com 112 atletas inscritos, o Brasil vai competir em 15 modalidades esportivas, conforme informou o Ministério do Esporte (MESP) à Gazeta do Povo. Os times brasileiros serão compostos por atletas universitários. A seleção e a convocação ficaram sob a responsabilidade da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CDBU). Ainda de acordo com o Ministério dos Esportes, a organização foi a única a manifestar interesse em organizar a delegação a ser enviada à Rússia. Além da CDBU, o Comitê Olímpico Brasileiro e as Forças Armadas também foram consultados.

O Brasil vai competir nas modalidades de: atletismo (16 atletas), badminton (4), esgrima (4), judô (14), karatê (10), natação (20), saltos ornamentais (4), arte marcial sambo (4), tênis de mesa (6), Wrestling estilo livre (5), Wrestling greco romano (1), arte marcial wushu (8) e xadrez (4). O país terá atletas também no phygital basketball (4) e phygital football (8), que são uma mistura de jogo de videogame com uma versão real simplificada desses dois esportes.

Ao todo, a delegação enviada pelo Brasil conta com 160 pessoas: 112 atletas, 2 médicos, 5 fisioterapeutas, 12 oficiais administrativos e 29 membros de comissões técnicas. De acordo com Ministério dos Esportes, os recursos serão aplicados no custeio da delegação: passagens aéreas, nacionais e internacionais, seguros, hospedagem, alimentação, transfers nacionais, uniformes, acessórios de viagem, RH, comissões técnicas, materiais médicos e fisioterapêuticos, despesas de viagem e manutenção da delegação”, disse a pasta em nota.

Putin aposta nos Jogos dos Brics como resposta à exclusão da Rússia das Olimpíadas

Apesar de acontecer desde o ano de 2016, essa é a primeira vez que os Jogos dos Brics tentam obter um teor de “competição mundial”. Neste ano, o torneio conta com 27 modalidades esportivas e em 17 delas haverá entrega de medalhas. Na concepção de especialistas, a estratégia da Rússia é tentar dar um caráter de Olimpíada ao evento, já que o país está suspenso de participar da competição deste ano, que acontece em Paris entre os dias 26 de julho e 11 de agosto — um mês após o fim dos Brics Games na Rússia.

“Essa competição pode ser vista como um gesto simbólico para mostrar que a Rússia, que é aliada da China, não é bem-vinda nas Olimpíadas, mas nos Jogos dos Brics pode participar sem nenhuma restrição, mostrando a ambição desse grupo de formar uma espécie de contraponto às organizações e normas internacionalmente aceitas”, pontua Elton Gomes.

Herdeira da União Soviética, a Rússia é considerada uma potência esportiva e fez altos investimentos em iniciativas voltadas para o esporte. O país, contudo, está suspenso da Olimpíada de Paris por ter invadido a Ucrânia. Tecnicamente, a Rússia está sendo punida por ter reconhecido comitês olímpicos regionais criados em áreas anexadas do território ucraniano nas províncias de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia. Esses comitês foram criados na prática pelos próprios russos. A Rússia já havia sido suspensa da Olimpíada entre 2019 e 2022 porque Moscou patrocinava um programa de doping de atletas.

A suspensão dada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) não foi bem recebido por Moscou e foi alvo de críticas de Vladimir Putin e outras autoridades governamentais.

No ano passado, durante um discurso público, Putin teceu críticas ao COI e o acusou de politizar a Olimpíada. “Sobre o movimento olímpico, acho que a liderança das federações internacionais e do próprio Comitê Olímpico Internacional estão distorcendo os ideais originais de Pierre de Coubertin (conhecido como o pai da Olimpíada moderna). O esporte deveria ficar fora das discussões políticas”, disse o ditador russo. Por outro lado, avaliam os analistas, é Putin quem busca protagonismo político ao promover uma grande competição esportiva no âmbito dos Brics.

Enquanto existiu, a União Soviética invadiu e anexou diversos países do leste europeu, como a Polônia, a Romênia e parte da Alemanha, mas não recebeu esse tipo de punição dos organizadores da Olimpíada. Moscou usou na época os jogos olímpicos como arma da Guerra Fria para difundir a ideologia comunista, fazendo investimentos pesados em esportes.

“Os Jogos dos Brics servem para poder mostrar também as ambições desse bloco Sino-Russo que congrega regimes não liberais e revisionistas, como a própria China e a própria Rússia. Essa iniciativa vai muito no sentido de querer promover aquilo que esse bloco o Russo faz para outras questões mais importantes e significativas da ordem internacional: de querer se mostrar como alternativa às instituições, organizações e regimes internacionais que, em geral, são tocados e são grandemente influenciados pelas democracias liberais do Ocidente capitaneadas pelos Estados Unidos e pelos países da União Europeia”, pontua Elton Gomes.

Os Brics nasceram como um bloco econômico alternativo aos tradicionais organismos mundiais do Ocidente, como o G7, grupo das sete maiores economias do mundo formado por Alemanha, Estados Unidos, Canadá, França, Itália, Reino Unido e Japão. A crítica da Rússia e da China é que o G7 os estaria forçando a adotar modelos de governo democráticos, além de cobrá-los pelas denúncias de crimes contra os direitos humanos. Os Brics surgiram como um bloco econômico, mas que passou a ter um caráter político antiamericano em 2022, por iniciativa da China e da Rússia.

A pressão do Ocidente agora tem se voltado para a Rússia, que invadiu a Ucrânia. Desde que o Kremlin ordenou o envio de tropas russas ao país vizinho, o país foi alvo de uma série de embargos econômicos e se tornou o país mais sancionado do mundo. Desde que foi banida das principais competições esportivas do mundo, a Rússia tem adotado o discurso de que as organizações da Copa e da Olimpíada sofrem “influência do Ocidente”.

Atletas russos que não defenderam a invasão da Ucrânia serão aceitos na Olimpíada de Paris

Na história dos jogos olímpicos, o país de Vladimir Putin (somando a participação da União Soviética e da Rússia) possui o segundo melhor desempenho em ganho de medalhas na competição, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Para o torneio deste ano, os atletas russos foram autorizados a participar das competições mas seguindo algumas determinações impostas pelo COI:

Atletas individuais com passaportes russo ou bielorrusso participarão das competições como “atletas neutros” e de nenhuma maneira representarão seu Estado ou qualquer organização em seu país;

Somente aqueles que não agiram contra a missão de paz do COI apoiando ativamente a guerra na Ucrânia podem participar das Olimpíadas;

Somente atletas que cumprirem integralmente o Código Mundial Antidoping e todas as regras e regulamentos antidoping relevantes estarão qualificados. Haverá inspeções individuais realizadas com todos os atletas inscritos.

O Comitê Olímpico também decidiu recentemente que os atletas russos que vão disputar a Olimpíada de Paris não vão participar da cerimônia de abertura da competição. “A decisão foi unânime e a lógica é muito clara para nós. Os atletas neutros individuais vão competir como indivíduos, a cerimônia de abertura é um desfile para delegações e times. Eles não estarão em nenhuma delegação”, afirmou James MacLeod, diretor do COI para relações com os comitês olímpicos nacionais.

A decisão desagradou o Kremlin. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, chegou a acusar o COI de “racismo” e de “cair no neonazismo”, além de fazer críticas diretas a Thomas Bach, presidente do comitê. De acordo com Zakharova, Thomas estaria conspirando com a Ucrânia para boicotar atletas russos e insinuou a necessidade de uma investigação para avaliar a conduta do presidente do COI.

“Tudo isso exige análise, estudo e investigação profundos e completos. Porque pessoas como Thomas Bach desacreditam o esporte mundial, desacreditam o movimento olímpico”, afirmou ela aos repórteres durante uma entrevista coletiva. Além de dar declarações públicas, o governo russo ainda tem tentado boicotar a Olimpíada com campanhas de desinformação na internet.

Um relatório publicado pela organização de defesa cibernética Recorded Future revelou que indivíduos e entidades ligados à Rússia tentam “minar os Jogos Olímpicos através de várias operações de influência” lançadas desde 2023. A denúncia foi ainda confirmada pelo Centro de Análise de Ameaças da Microsoft (MTAC).

No documento, os especialistas detalham as estratégias para descredibilizar o evento: montagens de vídeos, falsos avisos sobre o risco de terrorismo, falsos artigos de imprensa, fotos de pichações reais ou inventadas.

O uso de campanhas de desinformação através das redes sociais é uma prática comum do Estado Russo. Relatórios divulgados pelos governos dos Estados Unidos e do Parlamento Europeu já apontaram atividades do país nesse sentido através de canais no Telegram e mídias de comunicação russa para divulgação de fake news sobre a guerra na Ucrânia, por exemplo.

Lula e a aproximação política com a Rússia e Putin

Questionado pela reportagem sobre o envio de uma delegação para o Brics Games na Rússia em meio ao contexto da guerra iniciada pelo país, o Ministério dos Esportes alegou que o “Brasil não está participando de um evento esportivo russo, mas sim dos Jogos dos Brics”. Ainda de acordo com a pasta, o Brasil “adota uma postura de neutralidade/equilíbrio em relação ao conflito entre Rússia e Ucrânia, e defende que as negociações de paz precisam envolver as duas partes e levar em conta as preocupações de ambas”.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), contudo, tem sido alvo de críticas devido aos acenos que tem feito ao ditador Vladimir Putin. Em declarações, o mandatário brasileiro chegou a afirmar que a Ucrânia seria tão culpada pelo conflito quanto a Rússia. O petista também disse que gostaria de receber o ditador russo no Brasil e que ele não seria preso caso viesse participar da Cúpula do G20, que o Brasil sedia em novembro, no Rio de Janeiro. Putin tem um mandado de prisão expedido pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) e por ser um signatário do órgão, o Brasil deve cumprir a ordem de prisão.

Em maio, o mandatário brasileiro declinou do convite ucraniano para participar da Cúpula da Paz na Suíça para discutir uma solução ao conflito em curso na Europa. O brasileiro foi convidado pelos governos suíço e ucraniano, porém Lula recusou ir ao encontro. Recentemente, o petista alegou que está disposto a participar de discussões como essa desde que Rússia e Ucrânia, ou seja, invasor e invadido, também integrem os diálogos.

Algumas semanas após a confirmação de que Lula não participaria da Cúpula, o assessor para assuntos especiais da Presidência, o ex-chanceler Celso Amorim, foi envido à China e aderiu ao plano de paz na Ucrânia produzido pela China. O documento atende aos anseios russos e implica ainda na anexação territorial de ao menos um quinto do território da Ucrânia.

O Brasil também não aderiu às sanções impostas à Rússia pelo Ocidente. A Gazeta do Povo revelou ainda que o comércio entre os dois países tem aquecido após a invasão de Moscou à Kyiv. Levantamento feito pelo jornal mostrou que o Brasil é o segundo principal destino do diesel russo. A compra do produto teve ainda um aumento de quase 200% entre os quatro primeiros meses de 2024 em comparação com o ano anterior.

Em nota, o Ministério dos Esportes reafirmou a postura brasileira de não aderir às sanções. “O Brasil condena a violação do território ucraniano, mas também é contrário às sanções promovidas à Rússia, pois defende que elas diminuem o espaço de diálogo e reduzem as chances de uma solução negociada do conflito”, informou a pasta.

Deu na Gazeta do Povo