Inflação em 12 meses atinge 4,23% e se aproxima do teto da meta

Foto: Freepik

 

Medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação do Brasil atingiu 4,23% no acumulado dos 12 meses encerrados em junho. Ficou acima dos 3,93% observados para a taxa anualizada imediatamente anterior.

O IPCA se aproxima do teto do intervalo permitido para a meta de inflação em 2024, que estabelece taxa de 3% com intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Na prática, pode alcançar até 4,50% ao final de dezembro para cumprir o limite.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou os dados nesta quarta-feira (10).

O indicador registrou 0,21% em junho. Houve uma desaceleração na comparação com maio, quando registrou 0,46%.

Em junho de 2023, houve deflação –queda dos preços– de 0,08%. No acumulado do 1º semestre, está em 2,48%.

INFLAÇÃO EM JUNHO

O resultado de junho ficou abaixo da mediana das projeções dos analistas do mercado financeiro, que apostavam em uma taxa de pelo menos 0,3% no mês. A maior oscilação (0,54%) foi do grupo de saúde e cuidados pessoais. Já o maior impacto (0,10 ponto percentual) foi do setor de alimentação e bebidas.

De acordo com o IBGE, 7 dos 9 grupos de produtos e serviços registraram alta em junho. O grupo de alimentação e bebidas no domicílio desacelerou de 0,66% em maio para 0,47% em junho.

Houve alta nos preços de alimentos como batata inglesa (14,49%), leite longa vida (7,43%), café moído (3,03%) e arroz (2,25%). Cenoura (-9,47%), cebola (-7,49%) e frutas (-2,62%) registraram queda.

O grupo de saúde e cuidados pessoais também desacelerou: havia crescido 0,69% em maio. Em junho, o impacto foi de 0,07 p.p. A alta de 1,69% nos preços dos perfumes influenciou o resultado.

No segmento de transportes, houve queda de 0,19% e impacto de -0,04 p.p. Destaque para as passagens aéreas, que recuaram 9,88%.

Deu  no Poder 360

Deixe um comentário