Política

PL entra com ações no TSE contra PT por ataques realizados contra Bolsonaro

 

O Partido Liberal (PL) protocolou sete ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A sigla argumenta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realiza propaganda antecipada e discurso de ódio após o atual mandatário ser acusado de ser fascista, genocida, negacionista e desumano.

A legenda quer que sejam pagas multas e que os trechos em que as acusações são feitas sejam excluídos. De acordo com a defesa, forma proferidas “gravíssimas defesas à honra e a imagem do presidente Bolsonaro em um verdadeiro discurso de ódio que reforça a gravidade dos fatos”.

De acordo com o advogado Tarcísio Vieira de Carvalho, Lula fez pedidos de votos de uma maneira “dissimulada” e promessas de campanha. No dia 20 de julho, Lula afirmou que voltou a ser candidato à presidência para consertar o país e para melhorar a vida do povo brasileiro.

A defesa cita, também, infrações eleitorais como a promoção e a propaganda antecipada positiva em favor de Lula e, ao mesmo tempo, uma propaganda negativa em detrimento do presidente Bolsonaro.

Os representantes do PL sustentam que o quadro é gravíssimo, já que foram proferidas ofensas que atentam contra a esfera jurídica de proteção aos direitos humanos do ofendido, discurso de ódio e o legitimo debate político eleitoral.

Discursos de Lula realizados no Nordeste e no Distrito Federal foram protocolados na ação. O PT já entrou com ações contra Bolsonaro e, agora, é a vez do Partido Liberal entrar com ações contra Lula por propaganda antecipada nas eleições de 2022. Lembrando que a propaganda oficial começa no dia 16 de agosto.

Deu na Jovem Pan

Notícias

“PT prejudicou a população indígena”, diz cacique Ronaldo Zokezomaiake

 

Em entrevista ao OesteCast, o cacique Ronaldo Zokezomaiake declarou que a reforma feita na Funai durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, prejudicou os indígenas. A entrevista estreou no YouTube na quarta-feira 3.

“Quando criaram a reforma da Funai, desestruturam um sistema que já estava funcionando”, disse Ronaldo Zokezomaioke. “Ela retirou os indigenistas do trabalho na ponta e os levou para a cidade. As coisas ruim começaram aí.”

Ele é cacique do povo Háliti Paresi e ajudou a fundar a cooperativa agrícola Copihanama, que cultiva quase 20 mil hectares de terra no interior de Mato Grosso. Entre as principais culturas está a soja — carro-chefe do agronegócio brasileiro.

O cacique elogiou a estratégia do governo Bolsonaro, que procura promover condições para os indígenas se desenvolverem. “Isso é uma situação boa”, disse Zokezomaiake. “Nós vimos isso como uma oportunidade. Nos governos passados, as propostas para o indígena se desenvolver eram ilegais.”

Política

Lula foi ao Piauí em jato de R$ 300 milhões; veja detalhes e fotos da aeronave

 

O candidato a presidência da República pelo PT e ex-presidiário, Luis Inácio Lula da Silva, desembarcou no Piauí nessa quarta-feira (3), onde participará de um evento de campanha em Teresina, marcado para às 18h no Cidade Folia, na avenida Zequinha Freire, zona Leste da capital. Um dos destaques da chegada de Lula foi o avião que o trouxe à Teresina.

O ex-detento chegou ao Aeroporto Petrônio Portella junto com sua comitiva em um jato executivo Bombardier Global Express XRS, considerado um dos principais modelos da categoria.

O avião utilizado por Lula tem matrícula PR-VDR e pertence a empresa de táxi aéreo Air Jet Táxi Aéreo Ltda. Um fato curioso é que o avião já pertenceu à empresa de mineração Vale, de onde foi comprado em 2015.

Fabricado em 1999, o Bombardier Global Express XRS é um dos aviões mais espaçosos do ramo de jatos executivos. Seu interior pode ser equipado com uma cama queensize, assentos espaçosos e um sistema de entretenimento exclusivo, com internet via satélite. A Air Jet Táxi Aéreo Ltda diz que pode transportar até 14 passageiros com esse avião.

O Global Express XLS/6000 é uma das aeronaves executivas mais vendidas do mundo, tendo seu valor estimado em US$ 59 milhões, ou quase R$ 280 milhões na cotação atual.

O avião é equipado com dois motores da família Rolls-Royce BR700, os mesmos que também propulsionam aviões como Boeing 717 e Fokker 100, que podem transportar entre 100 a 120 passageiros a bordo. O Global Express tem 30,3 metros de comprimento, e 28,7 metros de envergadura (de uma ponta da asa até outra).

No cockpit há um moderno sistema de aviônicos desenvolvido pela Bombardier, com disponibilidade de HUD para otimizar o trabalho de cada piloto, e um sistema de visão sintética, que aumenta a segurança das operações. Este avião pode realizar procedimentos de aproximação RNAV, RNP (para voos de cruzeiro) e RNP AR, para operar sem auxílio de equipamentos de solo em regiões remotas.

Política

Fracasso: Lula e Alckmin forçam parceria de PT e PSB, mas estados não abraçam

 

A aliança nacional fechada entre PT e PSB, que resultou na chapa Lula-Alckmin na corrida para a Presidência da República, não refletiu de forma uniforme pelo país na disputa pelos governos estaduais.

Os dois partidos são aliados em ao menos 11 estados, mas adversários em outros 9.

As legendas precisam ainda definir os palanques regionais em 6 estados, incluindo o Rio de Janeiro, onde o PT pode deixar de apoiar Marcelo Freixo (PSB) caso não receba de volta respaldo ao nome do petista André Ceciliano para o Senado.

O prazo para as convenções partidárias acaba nesta sexta-feira (5).

Apenas em um estado, o Paraná, a situação é diversa: o PT terá candidatura própria, mas o PSB decidiu não apoiar ninguém na disputa ao governo estadual.

Notícias

Sete pessoas são presas suspeitas de arrastão durante evento de Lula em Teresina

 

Na noite desta quarta-feira (4), o ex-presidente Lula (PT) cumpriu agenda de pré-campanha em Teresina, ao lado dos pré-candidatos ao governo do Piauí, Rafael Fonteles e ao Senado, Wellington Dias. Durante o ato político do petista, sete pessoas foram presas suspeitas de furtos no local.

Segundo a Polícia Militar ao g1,  3 homens e 4 mulheres foram presos. Ainda conforme a corporação, os suspeitos agiam em grupo. O grupo teria aproveitado a circulação de pessoas nas imediações da arena para roubar as vítimas na Avenida Kennedy, na Zona Leste da cidade.

Ainda de acordo com o veículo, o bando seria  “lanceiros”, pessoas que tomam os objetos de pessoas distraídas. Logo depois da prisão, pelo menos quatro vítimas foram identificadas.

Política

PT do Rio defende rompimento de aliança com Freixo e amplia crise em palanque de Lula

 

O PT do Rio de Janeiro aprovou, nesta terça-feira, 2, uma resolução em que defende o rompimento da aliança com o deputado federal Marcelo Freixo (PSB), candidato ao governo do Estado. A decisão do diretório fluminense, no entanto, ainda pode ser revertida pela Executiva Nacional.

O texto foi aprovado após o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, sinalizar que não atuaria para retirar a candidatura do deputado federal Alessandro Molon (PSB) ao Senado – os petistas defendem o nome do deputado estadual André Ceciliano (PT), presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

“Companheiras e companheiros, acabo de apresentar uma resolução a Executiva Estadual do PT-RJ solicitando o rompimento da aliança com Marcelo Freixo Governador. Em função da manutenção da candidatura avulsa e divisionista de Alessandro Molon ao Senado Federal sustentada pelo Presidente Nacional do PSB”, escreveu o presidente do diretório do PT no Estado, João Maurício, em seu perfil no Twitter. À Jovem Pan, Freixo minimizou a decisão estadual. “Total tranquilidade na relação com o PT. Vamos caminhar juntos”, disse em mensagem enviada à reportagem.

A decisão desta terça-feira, 2, amplia a crise no palanque do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Rio de Janeiro, berço político do bolsonarismo e um dos maiores colégios eleitorais do país. No final do mês de julho, em meio ao impasse entre Ceciliano e Molon, Lula divulgou um vídeo no qual endossa seu apoio à candidatura do presidente da Alerj.

“Meus amigos e minhas amigas do Rio de Janeiro, esse vídeo é para dizer para vocês que é muito importante, nas próximas eleições, vocês elegeram, deputados, governadores e senador da República. Vocês já sabem que o Freixo é governador, que nós temos muitos deputados, mas é importante eleger senador. E nós só temos um: o senador que nós temos no Rio de Janeiro é André Ceciliano, atual presidente da Assembleia Legislativa, um companheiro que fez um verdadeiro milagre como presidente da Assembleia, unificando a Assembleia, ajudando todos os prefeitos do Rio, ajudando as universidades e fazendo aquilo que o Estado deveria fazer e não fez. Então, a gente não pode ter dúvida: a gente precisa escolher para senador da República André Ceciliano, companheiro do Partido dos Trabalhadores”, disse Lula na gravação.

Apesar da movimentação de uma ala do PT, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, não dá sinais de que irá atuar para que Molon retire sua candidatura. Como a Jovem Pan mostrou, o dirigente pessebista cobra apoio e respaldo dos petistas às candidaturas da legenda no território fluminense.

“Temos dois candidatos no Rio: Freixo e Molon. O Rio de Janeiro é um Estado importantíssimo para nós. Merecemos um tratamento melhor do PT. Fizemos todas as concessões em outros Estados. O PT precisa dar respaldo às candidaturas do PSB”, disse Siqueira. Entre as concessões citadas pelo dirigente está o recuo do ex-governador de São Paulo Márcio França (PSB), que retirou sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes e se lançou como candidato ao Senado na chapa do ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad (PT).

Deu na Jovem Pan

Política

PT, com R$ 8,6 milhões, e PSD, com R$ 5,2 milhões, lideram doações recebidas por pessoas físicas

Foto: Pixabay

Com R$ 8,6 milhões em doações, o PT foi o partido que mais recebeu recursos de pessoas físicas no período pré-eleitoral (de janeiro a julho de 2022), segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na sequência, aparecem PSD, com R$ 7,3 milhões em doações, e Partido Novo, com R$ 5,2 milhões.

O Novo renunciou ao repasse de financiamento público do Fundo Eleitoral a que teria direito, portanto, vai contar apenas com recursos privados nesta campanha.

Em quarto lugar, aparece uma sigla que vem sendo cobiçada por vários candidatos à Presidência da República, o União Brasil. O partido, decorrente da fusão entre PSL e DEM, arrecadou R$ 3 milhões apenas com doações de pessoas físicas. A sigla tem direito também à maior fatia do fundão, R$ 776,5 milhões, sendo o partido que terá mais dinheiro para as campanhas em 2022.

Os empresários são os maiores doadores. Jonas Barcellos Correa Filho, fundador da Brasif Máquinas, doou R$ 2,1 milhões ao PT, e não fez repasses a outras siglas até agora, de acordo com a prestação de contas apresentada ao TSE. Outra doação supera o montante do empresário da Brasif: Wagner Louis de Souza, da Century Brasil e Vale Sul Shopping, doou R$ 2,5 milhões ao PSD.

Os partidos têm até o dia 5 de agosto para fecharem as coligações. Depois, as legendas terão até 15 de agosto para registrarem seus candidatos no TSE. A partir de 16 de agosto, inicia-se, oficialmente, a campanha eleitoral.

No caso do petista, a coligação que se desenha é composta por PT, PSB, PV, PCdoB, PSol, Rede e Solidariedade. A coligação soma mais de R$ 1 bilhão do fundo eleitoral e R$ 9,8 milhões de doações de pessoas físicas (a maior parte, 88,42%, sendo composta por doações ao partido que encabeça a chapa à Presidência).

Já a coligação de Bolsonaro deve reunir PL, PP, Republicanos, PTB e PRTB e soma R$ 986,3 milhões do fundo eleitoral e R$ 81,4 mil em doações de pessoas físicas.

A coligação de Simone Tebet, por sua vez, vem com MDB, PSDB e Cidadania e conta com R$ 764,8 milhões de financiamento público e R$ 3,2 milhões de financiamento privado.

Ciro Gomes, até o momento, só vai contar com o próprio PDT, que tem uma fatia de R$ 251,5 milhões do fundão. Até o momento, não foram contabilizadas doações privadas ao partido.

Lula e Bolsonaro ainda buscam o União Brasil, de Luciano Bivar e o PSD, de Gilberto Kassab para comporem suas coligações. Além dos fartos recursos, os dois partidos ainda devem contribuir com mais tempo de rádio e TV para as campanhas.

Financiamento público x privado

Em 2015, na esteira dos escândalos de corrupção envolvendo agentes públicos e empreiteiras, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional a doação de pessoas jurídicas a candidatos. Os candidatos a cargos eletivos passaram a ter de financiar suas campanhas apenas com recursos próprios e com doações de correligionários ou de partidos políticos.

Dois anos depois, em 2017, o Congresso criou o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). Mais conhecido como fundão, o objetivo é exatamente suprir as doações antes feitas por empresas.

Os recursos do Fundo Eleitoral são distribuídos pela Justiça Eleitoral aos 32 partidos políticos para serem usados nas eleições majoritárias. Em eleições gerais, como a de 2022, o dinheiro poderá ser usado para bancar as candidaturas a senador, governador e presidente da República.

O União Brasil, maior partido do país, detém este ano 15,65% do total do fundo. Na sequência de valores aparecem o PT, com 10,07% (R$ 499,6 milhões), e o MDB, com 7,26% (R$ 360,3 milhões). PSD tem 7%, totalizando R$ 347,2 milhões e o PP, com 6,90%, receberá R$ 342,4 milhões, seguido pelo PL, com 5,78% (R$ 286,7 milhões), e pelo PSB, com 5,38% (R$ 267 milhões).

Pessoas físicas podem doar até 10% dos rendimentos brutos auferidos no ano anterior ao da eleição. A norma ainda prevê que o candidato poderá usar recursos próprios na campanha até o total de 10% dos limites previstos para gastos de campanha no cargo em que concorrer.

Com informações do Metrópoles

Notícias

Ciro Gomes chama Lula de corrupto e dispara: “Gabinete de ódio do Lula é um dos mais execráveis”

 

Ciro Gomes afirmou, em evento na Universidade de Brasília, que Lula “é um grande corrupto e um grande corruptor da vida brasileira”. Em discurso para membros da comunidade científica, o pré-candidato do PDT à Presidência citou o “gabinete do ódio” petista.

“O ambiente de lacração, de cancelamento, de grosseria, de violência política, não é só o Bolsonaro que promove”, afirmou nesta sexta-feira (29). Para Ciro Gomes, o comportamento da militância do “gabinete de ódio do PT e do Lula é um dos mais fascistas e execráveis do Brasil”.

“Lula fica posando de bonzinho, mas a canalhice, a falta de respeito, a falta de escrúpulo, os insultos, as agressões, as mentiras que ele promove no Brasil são tão graves quanto aquelas que Bolsonaro promove.”

E acrescentou:

“O Lula se corrompeu, é um grande corrupto e um grande corruptor da vida brasileira, e o grande responsável por essa tragédia que o Brasil está vivendo.”

Deu no O Antagonista

Política

Escolhido vice de Lula, Alckmin responde a ação movida pelo PT

 

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin responde até hoje na Justiça a uma ação movida pelo PT, partido do qual agora é aliado.

Ex-tucano, Alckmin se filiou ao PSB e, a partir da convenção que a legenda promove nesta sexta-feira, estará oficialmente nomeado como vice na chapa presidencial do petista Luiz Inácio Lula da Silva.

A ação foi movida em março de 2018 por 13 deputados da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo. Àquela altura, Alckmin estava deixando o governo estadual para concorrer à Presidência pelo PSDB.

Os parlamentares petistas responsabilizavam o então tucano por supostos prejuízos causados pela concessão de duas linhas de metrô à iniciativa privada.

A ação questionava o lance mínimo proposto pelo governo paulista na concorrência, que representava menos de 1% dos R$ 22 bilhões investidos no empreendimento, e o fato de a concessão ter sido feita por meio de decreto, sem aprovação prévia da Assembleia.

Em fevereiro de 2020, a defesa de Alckmin se manifestou dizendo que não havia nenhuma ilegalidade nem prejuízo na concessão e que os petistas utilizaram “metodologia equivocada” e “argumento falacioso” no processo.

O processo movido pelos parlamentares contra o agora aliado está pendente de julgamento.

A mudança de cenário já reflete no discurso dos políticos que antes eram adversários figadais. Um dos autores da ação, o deputado petista Alencar Santana tira por menos as divergências do passado e, agora, elogia o “viés democrático” de Alckmin.

“Isso passou. O que está em jogo é a democracia. Podíamos ter divergências políticas sobre algumas ações do governo, como essa concessão que nós entendíamos que tinha um problema legal. Mas temos que admitir que o governo Alckmin também era um governo de viés democrático”, disse Santana à coluna.

Deu no Metrópoles

Política

Racha na esquerda: PT anuncia Elmano de Freitas ao governo do Ceará e escancara falta de união da esquerda

 

O Partido dos Trabalhadores (PT) anunciou a candidatura de Elmano de Freitas ao governo de Ceará. A divulgação aconteceu neste domingo, 24, pelo ex-governador do Estado, Camilo Santana, em mensagem nas redes sociais.

“Juntos por um Ceará cada vez mais forte. Com muito trabalho, respeito e parceria. Contra o ódio, a intolerância e a mentira. Obrigado por todo o apoio, meus irmãos e irmãs cearenses! Seguimos unidos, de mãos dadas, com Elmano governador, Camilo senador e Lula presidente”, diz Camilo em publicação no Twitter. O anúncio confirma a ruptura dos petistas com o Partido Democrático Trabalhista (PDT), de Ciro Gomes, motivada pela escolha de Roberto Cláudio (PDT) como candidato pedetista ao governo.

O fim da histórica aliança política entre PT e PDT foi confirmado na semana passada, quando o partido de Luiz Inácio Lula da Silva publicou nota falando em “rompimento tácito e unilateral da aliança” e acusando a legenda de Ciro Gomes de recusar diálogo com aliados e se opor à tentativa de reeleição da atual governadora Izolda Cela (PDT).

“O PDT se fechou em copas. Tratou todas as tentativas de diálogo prévio à sua escolha como intromissão indevida”, disse os petistas. O partido também  afirmam que a exclusão da atual governadora do processo eleitoral representou a negativa do diálogo e pouco apreço à aliança. “Prevaleceu a arrogância, o capricho e a expressão de mando que subjugou os interesses dos cearenses à obsessão de poder de um só”, menciona comunicado.

O lançamento da candidatura de Roberto Cláudio aconteceu na segunda-feira, 18, e a chapa conjunta com o PSD foi confirmada em convenção eleitoral neste domingo, com Domingos Filho como vice na disputa. Pelas redes sociais, Roberto afirmou que a missão do partido é “combate o retrocesso” e fazer o Ceará um Estado mais moderno e inovador.

“Fazer com que essa modernidade e inovação possa ser traduzida como oportunidade para a nossa gente mais simples que anda de ônibus, não tem casa própria, precisa do SUS, precisa de educação pública e que precisa de um Estado eficiente, moderno e sensível”, concluiu.

Deu na Jovem Pan